Onde foi a coletiva de imprensa da Liga, que ninguém viu?

Estadão

03 de maio de 2012 | 16h44

A Prefeitura de São Paulo já definiu as punições pra os envolvidos no infeliz capítulo do carnaval paulistano ­- a apuração interrompida após o tumulto generalizado no sambódromo. A Império de Casa Verde foi quem levou a pena mais pesada e vai ficar 2013 sem o repasse de verbas do governo municipal, calculado em aproximadamente R$ 700 mil. Como se envolveram diretamente no incidente, Império de Casa Verde, Vai-Vai, Gaviões da Fiel, Camisa Verde e Branco, Pérola Negra, Rosas de Ouro e Unidos de Vila Maria receberam maior multa de R$ 6.774,76. As demais escolas do Grupo Especial foram condenadas a pagar em R$ 3.387,38 cada, por causa da falha de segurança. E as agremiações do Grupo de Acesso, R$ 1.914,60 cada. Mas, até agora, a LIGA Independente das Escolas de Samba não se manifestou oficialmente sobre as punições.

Logo após a apuração do carnaval, o presidente da LIGA Paulo Sérgio Ferreira, o Serginho, que também é presidente da Unidos de Vila Maria, comentou que aguardaria as apurações da Polícia Civil e o posicionamento da SPTuris, para posteriormente informar sobre as atitudes que a serem tomadas pela entidade.

Acontece que já faz quase um mês que as punições foram definidas e a LIGA, até o momento, não manifestou-se oficialmente sobre o assunto. O fato de isoladamente o presidente Serginho, ainda que de forma segura falar neste ou naquele veículo, não determina ao público uma postura definitiva da entidade que congrega e representa em todos os sentidos os destinos do carnaval de São Paulo.

Por fim, diria que a LIGA Independente das Escolas de Samba de São Paulo ainda está devendo o anúncio de seu posicionamento e a criação de um eficaz código de ética que abarque todos os momentos relacionados à festa – antes, durante e depois dos desfiles no Anhembi. A LIGA precisa dizer como será o carnaval 2013 e quais providências vai tomar. Para que se coloque, de uma vez, cinzas sobre este infeliz capítulo carnaval paulistano.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.