Liga comemora 25 anos de fundação

Estadão

15 de agosto de 2011 | 23h06

Em comemoração ao seu 25º aniversário de fundação, a Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo e as suas afiliadas realizarão um show especial na próxima sexta-feira, dia 19 de agosto, a partir das 21h, no Sambódromo do Anhembi, na zona norte da capital. Entre as atrações está a Mega Bateria da Liga, com a participação dos ritmistas das 22 escolas de samba integrantes dos grupos Acesso e Especial. Os intérpretes vão apresentar os sambas-enredo de suas agremiações e, também, como atrações convidadas os cantores Arlindo Cruz, Dudu Nobre e o grupo Fundo de Quintal, que irão ocupar o palco em um grande show de samba.

Um surgimento polêmico
O início da Liga, em meados da década de 1980, foi bastante polêmico. Na época, houve o chamado racha no samba paulistano, com o rompimento das grandes escolas de samba que, com exceção da Nenê de Vila Matilde, saíram da União das Escolas de Samba Paulistanas (UESP) em direção à Liga. Os líderes no surgimento da nova entidade foram Carlos Alberto Thobias (Camisa Verde e Branco), Eduardo Basilio (Rosas de Ouro), Juarez da Cruz (Mocidade Alegre) e Walter Guariglio (Peruche).

Durante esses 25 anos de existência com vários endereços (Quadra da Peruche, Praça Roosevelt e Av. Santos Dumont e realização de desfiles na Av. Tiradentes e Sambódromo do Anhembi), houve avanços e crises. Robson Oliveira, ex-presidente da UESP que assumiu a Liga após rompimento com Eumar Meireles Barbosa (Barroca Zona Sul), foi o dirigente que mais permaneceu no seu comando, promovendo a ascensão da entidade.

O último grande desafio do carnaval paulistano foi a criação da Super Liga das Escolas de Samba de São Paulo, desfeita em março deste ano, quando seus principais líderes, entre eles Paulo Serdan, presidente da Mancha Verde, Darly Silva, o Neguitão, presidente da Vai-Vai, e Pantchinho, presidente da Gaviões da Fiel, resolveram se reintegrar nas fileiras da Liga, em busca do crescimento do carnaval. O atual presidente da Liga é Paulo Sergio Ferreira, o Serginho, da Unidos de Vila Maria.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: