‘Stabat Mater’ risca no corpo da Virgem Maria o desejo bárbaro de todos os homens

‘Stabat Mater’ risca no corpo da Virgem Maria o desejo bárbaro de todos os homens

Leandro Nunes

20 de julho de 2019 | 14h52

Não é estranho perceber que a cena teatral paulista atual e ao redor aglutina, entre artistas independentes, uma mobilização criativa, que quase sempre é definida por recorrer a recursos identitários.

Há sete, oito anos, a vocação de coletivos e seus artistas era a de elaborar manifestos contra o que consideram a barbárie de um mundo movido pela mercadoria e os prejuízos da exploração de trabalho.

Com um  panorama em desenvolvimento, as pautas identitárias, que versam sobre gênero e sexualidade parecem ter sequestrado os temas econômicos de antes para encarar a poesia de maneira mais “individual”.

Não que os materiais pessoais não movimentassem os palcos antes, ao lado do teatro documentário, com algumas transformações.

É com a mesma verve que os coletivos com mais de dez, quinze anos, condenavam a ação do capitalismo na vida ordinária, a conquista de certas identidades mais contemporâneas, entre artistas de teatro dos últimos 4 anos, exige que sua criação cênica critique o mal – a violência, a LGBTfobia, o racismo, a discriminação – a partir do lhes fustiga a pele, poucas veze não justificado com manchetes de jornal ilustrativas do tipo o-Brasil-é-o-país-que-mais-mata-LGBTs-no-Mundo.

Nesse sentido, não é inusitado afirmar que este tipo de elaboração para o teatro busca, uma estranha forma de autopurgação por parte de seus intérpretes. Em geral, o acordo com a plateia é de que todos estão em contato com a obra a partir de uma crença comum, não dúvida, vazio, descrença, desinteresse, desconhecimento ou ignorância.

O motivo de ligação ou interesse nos espetáculos, se concentra no rótulo, o quanto a mercadoria, a obra, se identifica com o consumidor, a audiência, e vice-versa. Assim, no palco e na plateia, a catarse que ocorre é na frente do espelho. É pink, o money.

A diferença é que artistas do mesmo quilate, mas de outras linguagens, como música, artes visuais e cinema, conseguem que suas obras circulem para fora do eixo dos fãs, justo que pelo formato mais midiático de suas obras e das características da veiculação pelas redes sociais e internet.  O velho talento do teatro que cria guetos dentro de guetos.

De alguma maneira, assim como perderam força os tais coletivos críticos do capital (e a juventude com seu vigor), a onda criativa de jovens de um teatro identitário parece carecer um pouco mais de – sofisticação, para prosseguir, ou de redirecionar a fúria das pautas para a concepção de algo mais radical, insuspeito.

Tudo isso serve para arriscar alguns movimentos da criação teatral por SP  e do que anda estreando na capital, mas atende pouco para entender o que é o Stabat Mater, de Janaina Leite.

Quando o teatro mundial passou a questionar o estado de consciência do artista no palco, o rigor da concentração na interpretação e a repetição de ações como uma marionete, a vida ordinária pareceu brilhar com movimentos inéditos, mesmo que rituais, esportes e festas de aniversário não fossem assim tão espontâneas, mas carregadas de convenções, acordos sociais.

Essa maneira de olhar a rotina e reconhecê-la performática, devolvendo-a espetacular, perfaz os “bastidores” de Stabat Mater desde o início da criação do espetáculo. No universo considerado no ensaio da filósofa Julia  Kristeva, Virgem Maria, Cinderella e Rosemary – no filme de Roman Polanski, são ecos de um ideal do feminino, do corpo passivo que é visitado, invadido, consagrado em sua inconsciência.

FOTO: André Cherri

Na montagem, a produção cultural e pornográfica tem seu material examinado, como uma investigação nos escombros. Nos filmes de terror, a doce virgem que é discriminada pelas mulheres sensuais e livres é a única que guarda uma estranha ligação com o assassino, e portanto, a única que sobreviverá.

No entrocamento deste caminho, Stabat Mater não teme conjugar desejo e maternidade em cena. Como uma forma de personificar essas entidades mortais, Janaina compartilha o palco com sua mãe, Amália, numa relação de identificação e fatalidade. O que a atriz propõe não parece ser o tipo de material que qualquer mãe gostaria de assistir na plateia, tampouco ser testemunha deles em cena.

Mesmo assim, a dupla traz memórias de infância, como cacos, que compõem a máscara do desejo bárbaro dos homens que não dormem.

Não se trata de ser uma leitura da ação do macho em relação ao feminino, Stabat Mater promove uma viagem de assombro sobre certos pactos não falados, sobre um silêncio que entre artistas e personalidades costuma se romper diante dos holofotes.

Em Stabat Mater, Janaina elabora o horror cultivando as sombras: não fornece rostos, não esclarece atitudes, não se apieda da justiça, nem mendiga seu corpo na roleta política. Antes gira, gira e gira no sensual eixo da História – a cena mais inestimável do teatro paulistano dos últimos tempos!

Em contraponto à presença de Amália, Priapo, do mito, habita o teatro de Janaina oferecendo um ponto de vista sobre a representação, sobre o ofício dos atores, sobre a emulação do sexo na vida e na indústria pornográfica e como uma grande artista consegue promover um turbilhão de impressões.

O que o candidato confessa à equipe está no campo dos pensamentos desarticulados, coisa rara nesse mundo em que as câmeras antecedem a retórica de falas apenas vazias.

As fronteiras que Priapo profissional reconhece são evocações de um mundo imaginado. O sexo como ação, executado por um profissional é atingido por algo não visível, um bloco que cai, como um fantasma que flutua sobre a cama.

O homem fareja algo que não sabe identificar, e então solicita códigos para se comunicar. O traquejo da ereção como centralidade do evento espetacular, o gozo do pornô, não evita que ele vacile. O homem desconfia, e faz o inacreditável: implora pela convenção.

É como desaprender um comportamento ou não saber como se comportar diante de uma situação. Natural entre as crianças e adolescentes. Sua reação? Sem a segurança do pacto esperado, ele parece acuado, a voz falha. De fato, é um grande filme sobre a vida.

FOTO: André Cherri

De alguma forma, Stabat Mater não deixa de apontar para o passado das companhias e coletivos de perfis citados no início deste texto, que por agora ganharam independência da crítica materialista e desbundam na onda identitária ansiosa por justiça.

Mas de maneira bem distante, a montagem de Janaina, e ela também, reconhecem que assim como a vida, os artistas e suas criações precisam amadurecer e saber contar a própria história nem sempre garante esse crescimento, porque às vezes, existe uma ancestralidade, arquétipos dos quais só se enxerga contornos, raramente profundidade.

A boa notícia é que ao lado de artistas amadurecidos, sempre haverá uma plateia madura, que não teme festejar o horror de suas sombras, nem espera que aplaudir a redima de seus pesadelos.

Tudo o que sabemos sobre:

Janaina Leite

Tendências: