Wilco cancela show em protesto a lei ‘discriminatória’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Wilco cancela show em protesto a lei ‘discriminatória’

Banda acredita que a 'liberdade religiosa' pode servir como pretexto para preconceito contra gays

Alexandre Ferraz Bazzan

31 Março 2015 | 10h58

A lei de liberdade religiosa aprovada recentemente no estado de Indiana, nos EUA, está sendo vista por muitos como uma forma camuflada de permitir discriminação contra gays. Outros estados têm leis semelhantes, mas o que se diz sobre Indiana é que o texto difere um pouco das demais, e proíbe, por exemplo, que candidatos a emprego e funcionários entrem com ações contra o dono de um negócio desde que ele tenha uma justificativa com base religiosa. Hillary Clinton e Ashton Kutcher estão entre os que condenaram a nova lei.

Foto: Owen Sweeney/Invision/AP - Jeff Tweedy com o filho ao vivo em show para divulgar o disco Sukierae

Foto: Owen Sweeney/Invision/AP – Jeff Tweedy com o filho ao vivo em show para divulgar o disco Sukierae

O Wilco comunicou o cancelamento em sua conta de Twitter:

“Estamos cancelando nosso show do dia 07/05 em Indianápolis. A lei de liberdade religiosa de Indiana parece uma forma disfarçada de discriminação legal”, diz o comunicado. A banda também disse que espera voltar em breve ao estado:

“Esperamos voltar em breve, quando esta medida odiosa for repelida. O reembolso está disponível nos pontos de venda.”

O país tem um histórico de discriminação notório. Antes dos movimentos de direitos civis, celebrados recentemente, era comum que negros tivessem assentos separados no fundo dos ônibus e bebedouros distintos. Restaurantes, com frequência, se recusavam a servir refeição para negros, imigrantes e indígenas. O racismo ainda é latente, mas, pelo menos agora, é crime. O estado de Indiana permite o casamento de pessoas do mesmo gênero, mas não tem qualquer lei contra a discriminação a LGBTTs, o que deixaria essas pessoas ainda mais vulneráveis.

No filme Assim Caminha a Humanidade(vídeo acima), o personagem de Rock Hudson luta em um café contra a discriminação de uma família imigrante. A placa, no final da cena, diz: “Reservamos o direito de recusar o atendimento de qualquer um.” Rock Hudson era um galã machão nos anos 1950, mas depois foi descoberto que ele era gay, e especula-se que o ator tenha morrido por complicações do vírus HIV.

Jeff Tweedy gravou ano passado um bom disco, Sukierae, com seu filho na bateria, e batizou a banda de Tweedy, já que os dois têm o mesmo sobrenome. Ele também está excursionando com o Wilco em comemoração dos 20 anos do álbum AM, um clássico do rock alternativo.

Box Full of Letters está no disco AM

A lei de liberdade religiosa de Indiana passa a vigorar em julho.

Leia mais:

Amigos reúnem banda para silenciar pastor homofóbico

5 beijos gays da música

O rock não morreu, ele virou hip-hop

Mais conteúdo sobre:

Wilco