‘Você não é Farrah Fawcett’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Você não é Farrah Fawcett’

O Oscar está chegando, mas a água não

Alexandre Ferraz Bazzan

18 de fevereiro de 2015 | 15h59

Minha avó pergunta se eu já tomei banho. A conversa começou porque eu disse que não tinha mais água no meu prédio. Recorde de chuva, quarto volume morto, carnaval sem ninguém gastando água. O que está acontecendo? Minha avó, fofa que é, tenta me animar: “no Estadão deve ter chuveiro, amanhã você leva uma roupinha a mais, filho.” Vou tentar vó.

Corta a cena

Como eu esperei até o último momento para embarcar, todas as pessoas já tiraram suas selfies, já recolheram seus paus de selfie e estão terminando de acomodar suas bagagens de 57 kg, que dariam excesso de peso até se despachadas, no compartimento superior.

Não é que eu tenha medo de andar de avião, mas é que eu sei que se der algo errado com esse passarinho de 180 toneladas, estamos todos fritos. Ao meu lado, pessoas fazem o sinal da cruz e eu tenho vontade de dar um soco, e não só porque o cara que fez o sinal da cruz está sentado no meu lugar. É que isso não ajuda em nada no nervosismo, orações deveriam ser guardadas para momentos em que o piloto anuncia: “Vamos todos morrer.” Nesse caso até eu tentaria uma palavra com o todo poderoso. Outro cara continua brincando no Facebook e a aeronave já está quase decolando. Um comissário chega todo bravinho (com razão): “SENHOR, TODOS OS APARELHOS DEVEM ESTAR DESLIGADOS PARA A DECOLAGEM”. Vibro por dentro e não é o vibracall do meu celular, pois já desliguei 10 minutos atrás(ainda chama vibracall?).

Corta a cena

Recentemente assisti dois filmes que misturam ficção com realidade. O primeiro, uma espécie de documentário do Nick Cave. O segundo se chama Birdman, a história romanceada de Michael Keaton que foi Batman por duas vezes antes de cair no ostracismo.  Em dado momento, Michael Keaton tem uma conversa sobre fama e relevância artística com sua ex-mulher fictícia. “Você sabia que Farrah Fawcett morreu no mesmo dia em que o Michael Jackson?” Ela responde com algo que deveria consolar, mas que na verdade mostra uma realidade ainda mais dura: “Você não é Farrah Fawcett.”

Foto: Reprodução - Michael Keaton em Birdman

Foto: Reprodução – Michael Keaton em Birdman

Acordo com o sol em minha tenda no acampamento do festival Glastonbury e um amigo que está no Brasil me envia um sms (naquela época ainda não existia whatsapp e os celulares funcionavam): “O Michael Jackson morreu.” Dois minutos depois todos estavam gritando “MICHAEL JACKSON IS DEAD.” No fim do dia, o vocalista do Maximo Park avisaria: “vocês viram que a Farrah Fawcett morreu?” Achei que fosse uma fanfarronice da parte dele, mas, de alguma forma, consegui confirmar que a atriz de fato havia falecido.

No dia seguinte algumas bandas prestaram a merecida homenagem, enquanto o vocalista de uma banda patética chamada Rakes dá uma de engraçadinho: “Vocês souberam da boa nova? Michael Jackson morreu.” A banda acabaria poucos anos depois sem produzir nada que pudesse chegar perto de algo feito pelo rei do pop. Foram tarde.

Foto: Reprodução - Michael Keaton como Birdman, quer dizer, Batman

Foto: Reprodução – Keaton como Birdman, digo, Batman

Mas o que eu queria dizer sobre Birdman é que os solos de bateria são muito mais legais que os de Whiplash. Ok, J.K. Simmons está muito legal como instrutor sádico, mas se formos dar Oscar de sadismo é preciso voltar no tempo e premiar Michael Fassbender por 12 Anos de Escravidão.

Corta a cena

O avião começa a passar por turbulências e algumas pessoas juntam as mãos, um casal se abraça e começa a rezar, e eu chego a torcer pro troço cair só para provar que Deus não existe, ou provar que eu tenho razão. Um negócio é ter medo de um passarinhão de 180 toneladas, outra é acreditar que um amigo imaginável vai manter ele no ar. Acendo minha luz de leitura com o intuito de incomodar o passageiro que está sentado no meu lugar. Abro Remissão da Pena de Patrick Modiano e começo a ler. O menino do livro é chamado de imbecil afortunado, e eu penso que ali todos também são, mas no fim das contas o avião (SPOILER ALERT) não cai (como vocês podem deduzir já que estou escrevendo esta bobagem).

PS-Birdman obviamente não é uma biografia de Michael Keaton, mas bem poderia ser.

PS2-Para quem não sabe quem foi Farrah Fawcett, basta clicar aqui para descobrir tudo sobre ela.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: