Relembre a história por trás de ‘I Will Always Love You’, de Whitney Houston
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Relembre a história por trás de ‘I Will Always Love You’, de Whitney Houston

Música mais importante da cantora que concorre a uma vaga no Hall da Fama do Rock é um cover de Dolly Parton

Alexandre Ferraz Bazzan

15 de outubro de 2019 | 18h10

Atualizado 15 de janeiro de 2020 | 19h07

Whitney Houston foi selecionada para a turma de 2020 do Rock N’ Roll Hall of Fame ao lado de Depeche Mode, The Doobie Brothers, Nine Inch Nails, The Notorious B.I.G. e T. Rex.. O Hall da Fama também concede uma premiação para pessoas que trabalham nos bastidores e neste ano o crítico e produtor Jon Landau e o executivo Irving Azoff foram escolhidos.

Houston influenciou cantoras que vieram depois dela e ajudou a enriquecer especialmente uma que veio antes: Dolly Parton(que surpreendentemente ainda não está no Hall da Fama).

Parton escreveu e gravou I Will Always Love You em 1973 e a canção atingiu o topo da parada country por duas vezes: em 1974, quando ela foi primeiramente lançada, e em 1982 com uma regravação da própria Parton para o filme A Melhor Casa Suspeita do Texas. Dez anos depois Houston fez o mundo esquecer da autoria e das versões prévias.

Houston já era uma cantora de sucesso quando foi lançado o filme O Guarda-Costas, em 1992. Ela procurava uma música para fazer parte da trilha sonora e a escolhida foi What Becomes of the Brokenhearted. Como ela tinha sido usada um ano antes em Tomates Verdes Fritos a produção achou melhor não repetir já que o filme de 1991 fez muito sucesso.

Kevin Costner, que interpreta o guarda-costas do filme, sugeriu I Will Always Love You. A primeira reação de Houston foi de estranheza: “Para que você está me indicando uma música da Dolly Parton?”. O ator insistiu e ainda disse que ela deveria cantar o começo a capella. Ele conta a história aqui, infelizmente sem legendas em português.

Depois de convencer Houston de gravar a música, Costner, agora com o apoio da cantora, teve que brigar para que ela fosse lançada na íntegra com o início a capella. Inicialmente a gravadora não queria nem que I Will Always Love You fosse o single principal. Quando convencidos, os executivos disseram que seria necessário fazer uma versão com orquestração desde o começo. Eles diziam que as rádios jamais tocariam a música com o trecho a capella. “Eu não tenho certeza disso”, disse Costner em defesa da versão original.

I Will Always Love You foi a canção de maior sucesso de uma artista mulher e catapultou a carreira já bem sucedida de Whitney Houston. A música foi tão importante na carreira da cantora, que está gravada em sua lápide.

Tudo o que sabemos sobre:

Whitney HoustonDolly Parton

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: