O que o correio nos trouxe?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O que o correio nos trouxe?

Artistas que trabalharam entregando cartas antes de terem carreiras na música

Alexandre Ferraz Bazzan

22 de agosto de 2018 | 16h12

Os correios já empregaram figuras célebres, entre elas, alguns presidentes. Abraham Lincoln o mais conhecido deles. Walt Disney e o ator Steve Carell também gastaram seus dias carregando pilhas de cartas. O prêmio Nobel de Literatura, William Faulkner, foi convidado a deixar a instituição por ser um péssimo funcionário. Ele costumava ler as revistas antes de entregá-las ao destinatário. Ainda na literatura, Charles Bukowski transformou sua experiência no livro Cartas na Rua.

Mas e a música? Alguns artistas trabalharam como carteiros para financiar a compra de instrumentos(ou cerveja) até que a carreira na indústria fonográfica decolasse.

Capa do disco The Tree of Forgiveness, o último lançado por Prine

O cantor e compositor John Prine apresentava suas canções nos anos 1960 no que os americanos chamam de microfone aberto. Os shows do desconhecido para desconhecidos era tão constante em Chicago quanto as entregas de cartas. Um belo dia, Kris Kristofferson ouviu Prine e se tornou um incentivador de seu trabalho. Ele assinou com a Atlantic para se tornar um dos grandes nomes do folk dos EUA.

Em 2011, Prine lançou o disco Singing Mailman Delivers, com gravações feitas antes de lançar seu primeiro disco. Algumas das músicas tocadas em um show e um estúdio de uma rádio depois se tornariam clássicos do cantor.

Os carteiros do hard rock

Bon Scott, o primeiro vocalista do AC/DC, e Ace Frehley, que tocou guitarra no Kiss, foram carteiros por um período curto. O emprego foi um dos muitos bicos que eles fizeram. Eles também trabalharam com outros tipos de entrega antes das carreiras de sucesso, a de Scott, infelizmente, curta demais.

Bon Scott, com 19 anos, entregando cartas de bicicleta. Foto: Facebook/Lost Perth

Declan Sinnott, da banda irlandesa Moving Hearts, já destacou em algumas entrevistas que o melhor de trabalhar nos correios eram as horas extras. Com o dinheiro, ele comprava equipamentos e guitarras, o que certamente ajudou no início de sua carreira.

Caminho inverso

Vic Godard, fundador da Subway Sect, criou por anos trabalhos ligados ao punk e com a ética do faça você mesmo. Sua banda foi uma das precursoras do estilo na Inglaterra, mas no final dos anos 1980 ele estava cansado dessa vida e passou a trabalhar para os correios. Posteriormente, ele faria um revival de seu antigo grupo e também participaria de outros projetos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.