Minha cobertura no Lollapalooza
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Minha cobertura no Lollapalooza

As bandas que eu cobri e meu texto sobre o show de Jack White que não acabou sendo publicado por pura falta de tempo

Alexandre Ferraz Bazzan

01 de abril de 2015 | 14h48

Fui escalado de última hora para cobrir o Lollapalooza para o Estadão, e o divertido disso, além do óbvio de ver alguns shows que você adora, é conhecer artistas que você não ouviria nem em um milhão de anos. É surpreendente a popularidade do Skrillex e como a moçada ainda conhece o Three Days Grace. Já esperava coisa boa da St. Vincent e Smashing Pumpkins. Young the Giant me surpreendeu com uma apresentação divertida e feita com coração, mas Jack White consegue abrir um sorriso no rosto até de quem já esperava algo muito bom. Teve gente que pediu um festival só com as bandas do topetudo. Abaixo, links dos textos publicados e mais o que eu havia escrito sobre White:

A reconstrução do Smashing Pumpkins

Young the Giant está longe de ser a salvação do rock

St. Vincent tira lágrimas dos fãs mais jovens

Skrillex é o tweeteiro da música

Mesmo com som datado, Three Days Grace levanta o público

“Vocês são realmente incríveis e eu sou realmente Jack White”

Guitarrista só não fez chover, mas foi por pouco

White é desses caras que você pede desculpas se esbarra em um bar. Ele poderia ficar estático no centro do palco, como um totem, e ainda assim teria uma grande presença de palco, mas ele se revezou entre a guitarra, o teremim e o piano. Andava de um lado para outro como leão enjaulado, pronto para dar o bote.

Foto: Rafael Arbex/Estadão

Foto: Rafael Arbex/Estadão

Apesar dos diversos clássicos de outros tempos, ele nunca esteve tão bem acompanhado. O baterista, Daru Jones, parecia um pugilista que encurralou o adversário nas cordas e batia com toda a força. O adversário seria a bateria.

Com o novo corte de cabelo, White ficou parecendo um jovem Johnny Cash, e faz com sua violinista, Lillie Mae Rische, harmonia como se ela fosse June Carter. A diferença é que o sapato de Jack era branco e de couro, não azul e de camurça. Para quem não sabe, foi Johnny Cash quem disse “don’t step on my blue suede shoes.” Carl Perkins pegou a frase e transformou em um dos maiores clássicos do rock.

Boa parte das músicas do White Stripes ganhou nova roupagem. Hotel Yorba foi executada com uma pegada Nashville, residência atual do guitarrista e de sua gravadora Third Man. De modo geral, as canções ficaram grandiosas, perfeitas para um show de arena, com exceção de Fell in Love With a Girl, mais suingada e com um tiquinho de soul.

A decepção ficou por conta da ausência do dueto com Robert Plant que aconteceu na Argentina, e aqui não. Mesmo assim, ele se despediu da plateia dizendo: “Vocês são realmente incríveis e eu sou realmente Jack White”. Bem, hoje a palavra incrível é sinônimo de Jack White.

Leia mais:

Origens do Lollapalooza

Lollapalooza é oportunidade de São Paulo ver bandas nacionais

Jack White está chateado com o Guacamole Gate

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: