Discos para ouvir na quarentena 8: ‘Caetano Veloso’ (1971) – Caetano Veloso
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Discos para ouvir na quarentena 8: ‘Caetano Veloso’ (1971) – Caetano Veloso

Álbum do exílio é tão bonito quanto triste

Alexandre Ferraz Bazzan

30 de março de 2020 | 18h08

Como está a sua quarentena?

Caetano está triste, tão triste, e o lugar mais frio do Rio é o quarto dele. Mas está comendo paçoca.  Força, Caetano. Volta a tocar violão, por favor. Eu to preocupado.

Caetano Veloso é muito criticado por falar demais, mas no fim de 1968 ele foi calado. Ele e Gilberto Gil foram presos e “aconselhados” a deixarem o País.

Já na Inglaterra, Gil demonstrou curiosidade pela cena local, fez amizades e ajudou a criar o festival Glastonbury. Caetano foi junto, mas mantinha o silêncio de quem está deprimido. Quando ele resolveu falar novamente, em forma de música, o resultado foi um disco muito triste, cheio de flautas, mas também bonito.

Eu gostava muito do RPM nos anos 1980 e uma das minhas preferidas deles era London, London. Eu era uma criança e achava que o Paulo Ricardo e o Luiz Schiavon eram gênios, até que em um Globo de Ouro (um antigo programa da Globo com os maiores sucessos da música e não a premiação do cinema) eu descobri que o compositor da canção que eu adorava mesmo sem entender nada era Caetano Veloso.

A Little More Blue abre o disco contando mais ou menos como ele chegou até ali e sem conseguir explicar por que ele se sente mais triste agora do que antes. London, London segue na mesma linha com a rotina na nova cidade e um pouco da surpresa de como os policiais ingleses parecem felizes em informar e ajudar os cidadãos, enquanto no Brasil havia tortura e perseguição política. Maria Bethânia é, para mim, a mais bonita. Uma música de esperança e com um jogo de palavras legal com better e Betha.

Eu acho a capa muito bonita. O olhar penetrante do Caetano mostra um pouco do que o ouvinte está prestes a escutar.

E você? O que tem escutado? Eu estou fazendo uma caminhada diária (longe de aglomerações, obviamente), acompanhando essa edição do BBB e ouvindo muita música. Essa semana vou começar um festival do Fellini aqui em casa com a esposinha. Toda noite eu também leio um continho do Mario Benedetti de um livro que eu tinha guardado aqui: La Muerte y Otras Sorpresas.

Quer conversar, trocar experiências e me indicar os discos que você está ouvindo? Você me acha mais facilmente pelo Twitter. Me segue lá que a gente troca figurinhas.

Caetano, fique bem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: