Coronavírus interrompeu a gravação do novo disco do Arcade Fire
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Coronavírus interrompeu a gravação do novo disco do Arcade Fire

Will Butler diz que os obstáculos logísticos se tornaram intransponíveis com a pandemia

Alexandre Ferraz Bazzan

15 de julho de 2020 | 00h53

Foto: Ben Nelms/Reuters

Will Butler, do Arcade Fire, deu uma entrevista para o site britânico NME para divulgar seu novo disco solo, Generations, e revelou que a banda havia começado a gravar músicas inéditas quando a pandemia do coronavírus atingiu o mundo.

“Nosso baterista está na Austrália, dois integrantes estão no Canadá e o resto de nós está nos Estados Unidos”, disse o irmão de Win. O multi-instrumentista explicou que o Arcade Fire sempre teve dificuldades logísticas para colocar todos os membros da banda debaixo do mesmo teto, mas que o fechamento de fronteiras fez com que os obstáculos para o encontro se tornassem intransponíveis.

O próprio Win havia antecipado no começo de abril em um manuscrito publicado no Instagram que ele e sua mulher Regine estavam escrevendo letras para um novo álbum. Algumas das músicas tinham até relação com o momento atual mesmo antes da chegada da covid-19 (o título de uma delas era Age of Anxiety – era da ansiedade em português). Win também compartilhou via stories trechos de novas canções e elas pareciam ser legais.

Um disco novo serviria para redimir a última aventura da banda, Everything Now, um pop com influência de ABBA e uma divulgação falso ególatra engraçadinha. Houve até quem levantasse a hipótese de eles terem feito propositalmente um álbum ruim como experiência artística.

Generations chega em setembro e pelo primeiro single, Surrender, promete ser algo divertido. Mais um consolo para esta interminável quarentena. Este é o terceiro trabalho solo de Will, que já fez um projeto para o jornal The Guardian escrevendo músicas baseadas em notícias. Uma delas era sobre a crise hídrica em São Paulo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.