Blur vs. Oasis – segundo round
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Blur vs. Oasis – segundo round

Novos lançamentos de Blur e Noel Gallagher podem reeditar brigas antigas, ou quase

Alexandre Ferraz Bazzan

25 de fevereiro de 2015 | 13h46

Quando Noel Gallagher aceitou ser guitarrista da banda de seu irmão, ele colocou apenas uma condição: que ele fosse o único compositor. A ditadura de Noel terminaria apenas no quarto disco, Standing on the Shoulders of Giants, quando Liam escreveu Little James. Se levarmos em conta que Noel era o único compositor do disco (What’s the story) Morning Glory?, quando aconteceu a grande batalha com o Blur, pode-se afirmar que algo parecido está no ar. Pelo menos é isso que as pessoas têm comentado nas redes sociais.

Montagem: Joel Ryan/Invision/AP e Niel Welch/NYT

Montagem: Joel Ryan/Invision/AP e Niel Welch/NYT

Noel Gallagher lança o segundo disco com o seu High Flying Birds no dia 2 de março, e o Blur saiu de um hiato de 12 anos para anunciar um álbum de inéditas previsto para 27 de abril.

A baralha original. O Oasis iria lançar o single de Roll With It no dia 14 de agosto de 1995, e a gravadora do Blur mudou a data de lançamento de Country House para cair no exato mesmo dia. A disputa pelo primeiro lugar nas paradas britânicas estava decretada. Sempre houve grande animosidade entre os dois grupos, mas a batalha, que terminou com o Blur como vencedor, só serviu para colocar mais lenha na fogueira.

No filme, Blur: No Distance Left to Run, o vocalista Damon Albarn, além de assumir que a mudança no lançamento de Country House tinha dedo seu, disse que depois do fim da disputa ele se tornou persona non-grata. Ele conta que colocavam músicas do Oasis para tocar cada vez que ele andava nas ruas ou entrava em uma loja de discos.

O descontentamento dos ingleses pode ser explicado pela origem dos músicos. O Oasis vinha de Manchester, cidade industrial, e eram considerados parte da classe trabalhadora, enquanto os rapazes do Blur cresceram nos pacatos subúrbios de Londres. Albarn ainda fazia o casal mais charmoso do rock inglês com Justine Frischmann do Elastica.

Albarn também foi um dos principais responsáveis pelo rótulo de Britpop para descrever o som que saía da Inglaterra. O Blur teve um pequeno sucesso com a música There’s No Other Way do disco de estreia, Leisure. Embalados pelo single, e precisando de dinheiro, eles foram excursionar pelos EUA, onde foram tragados pelo grunge. Quando voltaram para o Reino Unido, foi como se ninguém mais lembrasse deles.

Eles decidiram se fechar nas tradições britânicas e focar no público de sua terra natal. No segundo álbum, eles inclusive fazem críticas aos EUA em Miss America. Os companheiros de Albarn sentiam certo receio em se fechar para o maior mercado do mundo, mas ele liderou o grupo que eventualmente se tornou um dos mais conhecidos no planeta. O britpop nasceu desse antagonismo com a música americana, e Albarn chegou a classificar o estilo saído de Seattle como uma grande bobagem. “O Nirvana não era ruim, mas todo o resto era uma grande porcaria”, diz ele no documentário sobre a banda.

Veja abaixo outras rivalidades da música:

Tudo o que sabemos sobre:

BlurBritpopGrungeOasis

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: