50 anos de Eddie Vedder em 50 músicas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

50 anos de Eddie Vedder em 50 músicas

Alexandre Ferraz Bazzan

23 Dezembro 2014 | 16h43

vedder

Eddie Vedder faz 50 anos e não há maneira melhor de comemorar do que revisitando algumas das principais músicas compostas por ele e algumas que o influenciaram.

 

Covers

Jeff Ament, baixista do Pearl Jam, disse em uma entrevista no começo da carreira quando tinha pouca intimidade com o vocalista: “Eu não o conheço muito bem, mas sei que ele assiste Quadrophenia o tempo todo”. O filme foi baseado no disco de mesmo nome do The Who. Uma das principais  influências de Vedder. Neil Young e Ramones também são influências enormes na banda e não poderiam ficar de fora.

Quando se fala de covers é preciso lembrar de Last Kiss. A versão ficou tão famosa que a maior parte das pessoas não sabe que a música não é deles. Gravada em 1998 como um single de Natal para os fãs que tinha também Soldier of Love, dos Beatles, a canção fez com que pessoas que nem gostam de rock descobrissem o grupo e algumas de suas outras baladas.

The Who – Baba O’Riley

The Who – Love Reign O’er Me

Quadrophenia_(album)

Neil Young – Keep on Rockin’ in the Free World

Ramones – I Believe in Miracles

Wayne Cochran and the C.C. Riders – Last kiss

Solo

Ele tem apenas dois trabalhos solo. Into the Wild rendeu um Globo de Ouro e uma indicação ao Oscar, já Ukulele Songs serviu mais como incubador de canções. Sleeping by Myself foi regravada posteriormente no disco Lightning Bolt do Pearl Jam.

Into the Wild

into-the-wild-W320

Hard Sun

Rise

Far Behind

Ukulele Songs

Ukulele_Songs

Without you

Longing to belong

Ten + Momma-Son

Ten_Pearl_Jam

O teste de Vedder para entrar no que sobrou do Mother Love Bone, banda de Seattle que tinha perdido o vocalista Andrew Wood morto por overdose, foi uma fitinha cassete que ele batizou de Momma-Son. Segundo ele mesmo, uma mini-ópera onde um menino é abusado durante a infância (Alive), fica louco e sai matando pessoas (Once), e se arrepende na cadeia (Footsteps).

A gravação caseira, que ele fez em poucas horas após um dia fraco de surfe em San Diego, evoluiu para um dos melhores discos dos anos 1990, talvez até da história do rock. Um clássico instantâneo onde você consegue ouvir todas as músicas sem passar para frente.

Alive

Once

Footsteps

Evenflow

Porch

Black

Release

Vs.

PearlJam-Vs

O disco já nasceu grande com perto de 1 milhão de cópias vendidas. Ironicamente, é o trabalho que começa afastar a banda dos holofotes. Incomodado com o excesso de atenção e algumas distorções da mídia, Vedder vocalizou isso claramente em Animal e Blood. Foi também neste álbum que eles deixaram de fazer clipes e ficaram mais arredios com a imprensa.

Animal

Dissident

Daughter

Blood

Vitalogy

PearlJamVitalogy

Depois de dois trabalhos quase perfeitos, eles finalmente ganharam um Grammy por Spin the Black Circle. O agradecimento na cerimônia afastou de vez a banda do círculo comercial da música.

Corduroy

Betterman

No Code

PearlJam-NoCode

Este é o trabalho mais esquisitão deles, mas ainda tem algumas grandes canções.

Off He Goes

Lukin

Yield

Yield_(Pearl_Jam_album_-_cover_art)

Um dos melhores discos do Pearl Jam que rendeu o incrível clipe de Do the Evolution e o documentário Single Video Theory. Impagável o começo do documentário com os integrantes picando cartão para trabalhar no estúdio.

 

Faithfull

Wishlist

Given to Fly

Do the Evolution

In Hidding

Binaural

PearlJam-Binaural

Foi recebido muito mal por críticos e fãs, mas mostrou envelhecer bem e ainda tem algumas de suas músicas tocadas nos shows do grupo.

Breakerfall

Light Years

Soon Forget

Riot Act

PearlJam-RiotAct

Depois do desastre do Festival Roskilde, na Dinamarca, foi dito que a banda acabaria. Houve até um show de despedida em Seattle. Eles voltaram visivelmente envelhecidos e Eddie Vedder com a cabeça raspada. Love Boat Captain faz uma homenagem aos nove mortos em Roskilde: “Lost nine friends we’ll never know, two years ago today”.

Bushleaguer marca o início das críticas à administração Bush que rendeu momentos delicados no palco já que os EUA tentava se reerguer dos atentados de 11 de setembro.

Save You

Love Boat Captain

I am mine

Bushleaguer

Lost Dogs

PearlJam-Lostdogscover cut

Disco com sobras de material gravado anteriormente, mas as sobras têm algumas das músicas mais legais do Pearl Jam, caso de Yellow Ledbetter que é usada para encerrar a maioria dos shows, ainda hoje. Existe a lenda de que Bee Girl* seria uma homenagem a Kurt Cobain.

Sad

Down

U

Yellow Ledbetter

Hard to Imagine

Bee Girl

Untitled (versão japonesa do disco)

Pearl Jam (abacatão)

PearlJam1

 

Uma das fases mais chatas da carreira da banda. O foco nas críticas a George W. Bush se intensificou e Eddie Vedder chegava a comparar o preço da gasolina antes e depois de Bush entre uma música e outra nos shows. World Wide Suicide é uma dessas críticas fortes e claras.

World Wide Suicide

Backspacer

Pearl_jam_backspacer

 

O disco tem alguns rocks, mas teve sucesso mesmo com as faixas acústicas, aquelas que você pode ouvir em um dia de sol na praia. Foi bastante elogiado em seu lançamento.

Just Breathe

Unthought Known

Lightning Bolt

pearl jam lightning bolt

Com Mind Your Manners e Getaway, eles tentaram recuperar a verve roqueira da banda. Sirens que é mais calma, entretanto, é talvez a melhor música do disco.

Getaway

Mind Your Manners

Sirens

*A leitora Renata Ferraz lembrou bem que a homenagem a Kurt Cobain seria Immortality. Bee Girl seria um apelo de Vedder ao vocalista do Blind Melon, Shanoon Hoon, para diminuir o uso de drogas. O clipe de No Rain do Blind Melon tem uma bee girl que tenta achar seu lugar na sociedade. Hoon morreu de overdose em 1995.