As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Balada mirim

Jerusa Rodrigues

16 de maio de 2014 | 17h15

 

celeste.jpg

Prontos para a festa?

 

Apesar da grande oferta de eventos no mesmo final de semana, o reduto mirim será mesmo a ‘Viradinha’, na Praça Roosevelt. Com boa curadoria, vale desapegar do horário e curtir tudo por ali. Há, por exemplo, o espaço de brincar Mamusca, narração de histórias, espetáculos e oficinas (de carimbo, tricô, grafite e construção de instrumentos musicais). Entre os shows, Paulo Bira, Grupo Triii, Tiquequê, Marilia Vargas e André Mehmari. Para quem preferir se programar, no sábado (17), às 17h, tem ‘Música de Brinquedo’, com Pato Fu, e, no domingo (18), às 14h, pista de dança com os DJs Camilo Rocha e In-Fernão (Embolex), ao som de Michael Jackson, Mutantes e Tim Maia, entre outros. Celeste, a fofa da foto ao lado, já está prontinha para a balada.



Diante de tudo isso, conversamos com Camilo Rocha para entender como será a Pistinha, o evento mais badalado do domingo. Confira o papo:

 

Há quanto tempo você trabalha como DJ?
Sempre tive uma obsessão especial por som e música, mas comecei profissionalmente em meados dos anos 90, então vão aí uns 20 anos.

Quando você começou a se interessar por discotecagem para crianças?
Bom, uma das minhas atividades preferidas com a Celeste, minha filha de um ano e um mês, é ouvir música. Coloco músicas e dançamos, ela já põe o dedinho pra cima, bate a mão na perna, curte a música. A gente ouve algumas coisas ‘para criança’, mas a maior parte do tempo são coisas de rock, soul, jazz, eletrônico, salsa, MPB, música ‘de adulto’. Foi aí que começou o interessante. A Disco Baby foi outra inspiração como DJ, a tarefa de tocar para uma pista cheia de pequenos é muito mais exigente do que para gente grande.

Que tipo de música não pode faltar em sua baladinha?
Música com astral feliz, groove bom, pegada lúdica. Sempre vai ter alguma coisa do Michael Jackson, alguma disco music e sons que classifico de divertidos, quase circenses, como certas músicas dos Mutantes. Quando falo em música ‘de adulto’ ou ‘de criança’ faço questão de por aspas, porque acho que música boa não tem restrição de idade.

Fala sério, com esse repertório, os pais curtem mais que os filhos, não?
Vamos ver haha, queremos que os dois curtam! Eu e o Fernão vamos procurar colocar sons que todas as gerações possam curtir.

Como será o projeto ‘Pistinha – balada bebê’ que você irá mostrar na Viradinha Cultural?
O som é fundamental, mas damos a mesma importância para a ambiência e as atividades. Vamos criar um espaço, com decoração própria e cenografia, feita pelas diretoras de arte Adriana Faria e Juliana Ferreira, que também criaram um cantinho para bebês. Além disso, queremos brincar na pista, então vamos propor diversas atividades. Passos de danças, amarelinha, corda e coisas pra encaixar estarão disponíveis para quem quiser. Luccia Ghisalberti, do Familiarte, é responsável pela parte educacional do projeto. Não é para dar uma passadinha, queremos que as pessoas fiquem um tempo lá curtindo. “

O projeto já tem nova data?
Sim, teremos uma atividade especial na abertura da Copa, dia 12 de junho, depois do jogo. Em breve, divulgaremos mais informações nas redes sociais!

 

A história recente das baladinhas….

PIONEIRA
Criada em 2012 por pais DJs, baladeiros e jornalistas, a então improvável Disco Baby fez o maior sucesso. Destinada ao foliões de 5 meses a 10 anos tinha pista para maiorzinhos, tapete de borracha para os menores, brincadeiras, fraldário, ar condicionado mais brando, projeção de desenhos na parede e cardápio especial (com sopinhas e sucos). A matinê reuniu DJs famosos e chegou a ser realizada uma vez por mês, durante um ano e meio em parceria com o Espaço Offset e a Chácara Santa Cecília, em Pinheiros. Atualmente, a festa integra a programação da Maratona MIS. A última edição, em homenagem ao rock, reuniu 1.500 pessoas. “Aguarde. Em breve teremos novidades”, garante a fundadora Claudia Assef. www.discobaby.com.br

MODERNINHA
Balada chique, a Casa 92 abriu as portas para a Caricatinhos, matinê marcada por boas oficinas (de circo, arte, maquiagem…). O karaokê, com ‘cursinho para os jovens cantores’ era bem disputado.  Mas, a festa está suspensa temporariamente. No local rola agora a festa para outros tipos de filhote: a balada mensal, Dog Sunday.


CASEIRA
Formada por educadores da Casa do Brincar, a Música de Brincar já se apresentou na Chácara Santa Cecília, em piqueniques e é bastante requisitada para eventos particulares.  Toca faixas autorais, do cancioneiro popular e outras mais recentes. “São músicas para brincar junto”, conta Lu Motta, que organiza a próxima festa para o dia 21 de junho, às 16h, na própria Casa do Brincar. www.casadobrincar.com.br  

CAÇULA
Pistinha, a mais nova das festas, é organizada pelos veteranos Camilo Rocha e a equipe de educadores do Familiarte. A estreia será na Viradinha, mas eles já têm planos a próxima, durante a abertura da Copa do Mundo, em uma Casa no Morumbi.  “Fazemos festas temáticas, o Carnaval foi um sucesso, mas é a primeira vez em baladinha mesmo”, conta a animada Luccia Ghisalberti, sócia do Familiarte.

Relembre a Disco Baby:

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: