Enquanto isso, no pavilhão do Ibirapuera…

Estadão

23 de setembro de 2010 | 15h27

A 29.ª Bienal de São Paulo, cujo título é Há Sempre Um Copo de Mar para O Homem Navegar vai ser inaugurada para o público neste sábado, às 10 h.  A estimativa é a de que esta edição, até 12 de dezembro e com entrada gratuita, receba 1 milhão de visitantes.

Além das obras de 159 artistas, nacionais e estrangeiros, que ocupam os três andares do pavilhão da instituição no Ibirapuera – apenas a escocesa Susan Philipsz e o cubano Wilfredo Prieto têm suas criações no lado externo do prédio -, os visitantes terão a oportunidade de participar de atividades programadas para ocorrer até dezembro, principalmente, nos espaços intitulados “terreiros”.

Até o momento, a única mudança dentro da mostra está relacionada à obra do argentino Roberto Jacoby, a instalação
A Alma Nunca Pensa Sem Imagem , abrigada no terceiro andar e na qual o artista colocou grandes fotografias dos candidatos à presidência José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) e ainda criou um espaço com um palanque, cartazes e outros elementos em que seria feita uma campanha pela petista.  Segundo a assessoria da Bienal de São Paulo, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fez uma recomendação oficial à instituição para que o trabalho fosse retirado por este ser período eleitoral.  A Bienal acatou e a instalação de Jacoby ficará coberta no pavilhão.

Programação. Para marcar a abertura da 29.ª edição, será reencenada no sábado, às 11 h, na marquise do Ibirapuera, a obra Divisor, de Lygia Pape – cerca de 200 pessoas formarão um corpo coletivo em um gigantesco tecido branco (registros da ação são exibidos na mostra).  No mesmo dia, ainda, o pernambucano Paulo Bruscky e a inglesa Sue Tompkins também fazem performances – e está programada palestra com o artista conceitual americano Joseph Kosuth, às 16 h.  A programação das atividades fica disponível no site.

Tudo o que sabemos sobre:

Lygia Pape

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.