Bienal dentro do seu tempo

Estadão

02 de outubro de 2010 | 08h00

Montamos três roteiros para você visitar a Bienal de SP gastando uma, duas ou 3 horas.
Escolha o seu roteiro e vá nessa

Felipe Branco Cruz

A 29ª Bienal de Artes de São Paulo foi construída como um grande labirinto.  A ideia, segundo os organizadores, é que o espectador se perca entre as mais de 800 obras de 159 artistas do Brasil e do exterior.  A reação que se espera do público é a de surpresa.  De um lado, uma parede esconde uma gigantesca instalação.  Do outro, uma imensa sala de projeção reúne dezenas de monitores que exibem vídeos aleatórios.  Mais à frente, um poleiro é a casa provisória de três urubus.  Enfim, um verdadeiro labirinto.

Dessa forma, é fácil perder a noção do tempo e acabar deixando de fora alguma obra realmente importante.  Para isso não acontecer, o JT preparou um guia dividido em três partes, de uma hora cada.  A primeira parada é logo em frente à entrada, na obra Inferninho, de Luiz Zerbini, sugerida para começar o passeio, pois o artista convida o espectador a parar, esquecer de tudo o que está lá fora e preparar sua mente para o que verá em seguida.  Ao final da primeira hora, o visitante terá visto as principais obras e, se precisar ir embora, poderá se dar por satisfeito.  Na segunda hora, focamos em obras maiores e mais contemplativas, como o Arroz e Feijão, de Ana Maria Maiolino, além de reservar alguns minutos para o descanso nos Terreiros, áreas criadas exclusivamente para o visitante repousar um pouco – como o espaço localizado no segundo andar, feito por Ernesto Neto: uma tenda repleta de travesseiros forrados com ervas aromáticas.  Para a terceira hora, sugerimos as vídeo-instalações que requerem tempo e paciência.  Entre uma atração e outra, caso bata uma fome, há no mezanino o Café Bienal, que serve lanches rápidos e pequenas refeições.  As dicas para os desbravadores da Bienal são vestir calçados confortáveis, deixar as bolsas e mochilas na chapelaria e curtir o passeio.  Na chapelaria, aliás, são entregues mapas com o nome e a localização de cada obra.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: