Um Livro Por Semana: Ilusão e desilusão (‘Aço’, de Silvia Avallone)
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um Livro Por Semana: Ilusão e desilusão (‘Aço’, de Silvia Avallone)

E na coluna Babel: 'De Natura Florum', de Clarice Lispector, a caminho das livrarias e o novo romance de Antonio Xerxenesky, 'Uma Tristeza Infinita'

Maria Fernanda Rodrigues

29 de maio de 2021 | 03h00

A vida é como o aço, na opinião da escritora italiana Silvia Avallone: ao mesmo tempo dura e maravilhosa. E também um destino. Não escolhemos onde vamos nascer, nem todos conseguimos nos libertar das condições sociais. “Nesse sentido, moldar a própria vida, libertá-la de condicionamentos é uma tarefa colossal e extenuante exatamente como o ciclo integral contínuo de uma siderúrgica”, disse em entrevista anos atrás. Aço é o título de seu romance de estreia – e único publicado no Brasil (em 2011, pela Alfaguara).

História acompanha duas amigas de infância na adolescência (Foto: Jennifer Lorenzini/Reuters)

Trata-se de uma obra delicada, apesar da linguagem crua, que gira em torno da amizade e das descobertas de duas amigas adolescentes durante o verão de 2001, e das relações humanas que se desenrolam num bairro operário de Piombino, área industrial da cenográfica Toscana, onde fica a siderúrgica real que sustenta a cidade. Um livro íntimo, mas com forte carga social, que fala sobre as ilusões e desilusões de toda uma geração.

+ BABEL

Clarice e a poesia da natureza

A Global lança, em junho, De Natura Florum, de Clarice Lispector. Trata-se de uma espécie de ‘herbário em prosa’ que a autora de A Paixão Segundo G.H. publicou no Jornal do Brasil em 3 de abril de 1971 e que depois, em 1984, integrou a coletânea A Descoberta do Mundo, com textos dela para o jornal carioca. São 24 verbetes – definições botânicas e descrições poéticas de flores. A edição que a Global manda para as livrarias é a mesma publicada na Espanha com belas ilustrações de Elena Odriozola, vencedora do Prêmio Nacional de Ilustração.

Melancolia e fascismo

Uma Tristeza Infinita, novo romance de Antonio Xerxenesky, sai em setembro pela Companhia das Letras – quando ela também relança F (Rocco, 2014). O novo livro conta a história de um psiquiatra na Suíça dos anos 1950, pós-Segunda Guerra, que trata ex-soldados e civis que passaram pela experiência do fascismo. A obra traz discussões filosóficas sobre ciência e religião, psicologia e psicanálise e fala sobre como lidar com a melancolia por motivos históricos, estabelecendo um paralelo com o Brasil atual.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.