Um Livro Por Semana: Em poucas palavras (Tipos de Perturbação, de Lydia Davis)
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um Livro Por Semana: Em poucas palavras (Tipos de Perturbação, de Lydia Davis)

'Tipos de Perturbação' foi lançado pela Companhia das Letras; e na Babel: Felipe Franco Munhoz e Maria Rita Khel

Maria Fernanda Rodrigues

12 de junho de 2021 | 03h00

Para a escritora americana Lydia Davis, nenhuma frase pode sobrar num conto. O leitor, ela diz, não perdoa. Precisão, concisão. A frase certeira. O conto na medida, tenha ele três linhas ou três páginas. Seja ele sobre morte, relações familiares, bengalas ou gases. Seja ele, na verdade, sobre perturbações, frustrações, o desconforto diante da vida e do outro ou a vontade de se reconectar com este outro. É isso o que encontramos em Tipos de Perturbação (256 págs.; R$ 28,50 o e-book), lançado em 2013 pela Companhia das Letras.

‘Tipos de Perturbação’ traz 57 narrativas curtas (Crédito: Tiago Queiroz/Estadão)

Destaco um deles, Questões Gramaticais, um dos mais sensíveis do livro. A elaboração de um luto iminente disfarçada de análise gramatical, uma reflexão sobre como vamos nos relacionar com nossos mortos. “Quando ele morrer, tudo relacionado a ele virá no passado. Ou melhor, a frase ‘Ele está morto’ estará no presente (…). Mas não saberei se as palavras ‘ele’ e ‘dele’ estão corretas no tempo presente. Uma vez morto, ele ainda é ‘ele’? E em caso afirmativo, por quanto tempo ainda será ‘ele’?”

+ BABEL

Luz e sombra

Felipe Franco Munhoz lança Lanternas ao Nirvana, pela Record, no 1º semestre de 2022. Fragmentado, entrelaçando poesia e dramaturgia, o livro foi produzido durante o isolamento absoluto do autor, que durou 312 dias, e inclui Parêntesis, publicado no ‘Estadão’ em junho de 2020. Com esta obra, Munhoz segue investigando luzes e sombras: incididas tanto nas minúcias do ser humano quanto na expansão da linguagem. Cada fragmento é tanto peça do quebra-cabeça quanto corpo independente. A data da criação dos textos está indicada – também como forma de observar, durante o processo criativo, se estilo e ideias seriam influenciados pelo confinamento imposto pela pandemia.

Sintoma social

O Tempo e o Cão: A Atualidade das Depressões, obra da psicanalista Maria Rita Kehl lançada em 2009 pela Boitempo, livro do ano do Jabuti, com 25 mil exemplares vendidos e tradução para o espanhol e o inglês, acaba de ser lançada na Rússia pela Horizontal Publishers. E em um mês esgotou sua primeira tiragem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.