Um Livro Por Semana #9: Nunca é tarde demais (‘Controle’)
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um Livro Por Semana #9: Nunca é tarde demais (‘Controle’)

'Controle', de Natalia Borges Polesso, foi publicado em 2019 pela Companhia das Letras. E ainda na Babel: Manuel Bandeira quase completo, François Dubet e Saraiva

Maria Fernanda Rodrigues

16 de maio de 2020 | 03h00

Tem um momento muito delicado, ali entre o fim da infância e o começo da adolescência, que pode definir quem seremos e como vamos encarar a vida. Entramos nesse túnel como crianças felizes, na maioria das vezes, e então é aquele turbilhão. Difícil para todo mundo e cheio de crises, dúvidas e inseguranças, esse momento é ainda mais desafiador para Nanda, a narradora e protagonista de Controle, o primeiro romance de Natalia Borges Polesso, vencedora do Jabuti por Amora (Não Editora), com contos sobre relações homoafetivas entre mulheres.

Na última vez que a encontramos feliz, ela tem 13 ou 14 anos e está orgulhosa, inaugurando uma pista de bicicross que fez com o amigo. Ao tentar repetir a volta perfeita dele, levou um tombo feio, que entortou a bicicleta, destruiu seu walkman e deixou marcas para sempre.

Desordem. Uma queda, como o início e o depois como possível fim de uma história de solidão (Foto: Monica Zarattini/Estadão)

Foi depois disso que começaram as convulsões e, com o diagnóstico de epilepsia, Nanda colocou o fone no ouvido e se fechou, em si e no quarto. Enquanto lidava com as crises, os remédios, os medos e a culpa, ela vivia os dramas de qualquer pessoa da sua idade. A dificuldade de comunicação. A descoberta do amor – ou a constatação de que sempre esteve ali – e da sexualidade. Tudo entremeado pela música do New Order, uma banda que, em suas palavras, conseguiu se desenterrar do peso de uma morte (de Ian Curtis, que também tinha epilepsia), e cujos versos, que se encaixam em vários momentos de sua vida, ela incluiu em sua história. Uma história cheia de referências aos anos 1980 e 1990, um tempo em que o Mertiolate ardia e que o walkman vinha do Paraguai.

Apesar de tudo, Nanda nunca quis morrer, não queria a solidão, e eis que duas décadas depois, num rompante, decide tomar as rédeas da vida. E a vida pulsa. Há desejo, coragem. Outra queda. O relógio mostrando a frase: Nunca é tarde demais. Será?

 

 

CONTROLE
Autora: Natalia Borges Polesso
Editora: Companhia das Letras
(176 págs.; R$ 44,90; R$ 29,90 o e-book)

 

+ BABEL

Prosa e poesia
A Nova Aguilar, selo da Global, prepara o lançamento de ‘Manuel Bandeira – Poesia Completa e Prosa Seleta’, com organização de André Seffrin. A caixa, que está em gráfica, terá dois volumes, somando 2.600 páginas.

Desigualdade e populismo
‘O Tempo das Paixões Tristes’, do sociólogo francês François Dubet, sai no 2º semestre pela Vestígio. O autor mostra que o sofrimento social não é mais experimentado como provação que exige lutas coletivas, mas como uma série de injustiças pessoais, discriminações, experiências de desprezo e questionamento da autoestima – um ressentimento que alimenta o populismo.

Devolução
A Saraiva recorreu da sentença e perdeu de novo: vai ter mesmo que devolver 50% dos livros de um grupo de 21 editoras que estavam em consignação. (veja a notícia completa aqui)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: