Um Livro Por Semana #40: Passado colonial (‘Caderno de Memórias Coloniais’)
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um Livro Por Semana #40: Passado colonial (‘Caderno de Memórias Coloniais’)

'Caderno de Memórias Coloniais', de Isabela Figueiredo, foi publicado pela Todavia; e na Babel: Dossiê Cult sobre os sonhos e PublishNews+

Maria Fernanda Rodrigues

30 de janeiro de 2021 | 03h00

Havia um pacto informal entre os portugueses de não revelar o que ocorria nas colônias africanas, e a escritora Isabela Figueiredo, filha de pais portugueses nascida em 1963 em Lourenço Marques, hoje Maputo, “traiu” isso ao escrever Caderno de Memórias Coloniais (Todavia, 184 págs.; R$ 54,90; R$ 38,40 o e-book). É ela quem coloca assim, ao falar sobre algumas reações ao seu livro lançado em Portugal em 2009 e aqui em 2018. Um livro em que ela faz um acerto de contas com esse passado colonial e, principalmente, com seu pai e os fantasmas da família. Uma obra que retrata, também, sua busca por uma identidade.

Maputo em 2019 (Foto: Siphiwe Sibeko/Reuters)

Isabela viveu em Moçambique até os 13 e, com a Independência, foi mandada sozinha de volta a Portugal para viver com a família que não conhecia. São as lembranças desse tempo – permeadas por episódios de racismo que ela narra ao relembrar as ações do pai e pela percepção, precoce, da desigualdade entre as pessoas e entre os países e de seu privilégio – que ela resgata neste livro também sobre culpa e tomada de consciência. Um livro, aliás, que ela só se permitiu escrever depois da morte do pai.

Para quem se interessa por esse período e quer conhecer um lado da história que só recentemente começou a ser contado na literatura, tem outro livro muito delicado: O Retorno. Saiu em Portugal em 2011, depois de Caderno de Memórias Coloniais, e no Brasil antes, em 2013. O narrador de Dulce Maria Cardoso é um adolescente nascido e criado em Luanda que se vê, como a autora portuguesa que cresceu em Luanda se viu, tendo de voltar para a Europa nos anos 1970 e lidando com questões de identidade, pertencimento e discriminação.

+ BABEL

Nossos sonhos

A Cult manda para as bancas, no dia 6, o dossiê Sonhos Aprisionados: Como Sonharam os Brasileiros em 2020 – feito a partir de uma pesquisa comandada por um grupo de psicanalistas. Márcia Tiburi ilustrou a edição (abaixo).

Mercado editorial

Em seu aniversário de 20 anos, o PublishNews lança, dia 8, um novo portal para profissionais do mercado editorial: o PublishNews+, com informações e análises mais aprofundadas do setor e novos colunistas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.