Um Livro Por Semana #4: E sigamos (‘Em Cada Momento Ainda Estamos Vivos’)
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um Livro Por Semana #4: E sigamos (‘Em Cada Momento Ainda Estamos Vivos’)

'Em cada Momento Ainda Estamos Vivos', de Tom Malmquist, foi publicado pela Grua

Maria Fernanda Rodrigues

11 de abril de 2020 | 03h00

Não se engane com o colorido da capa. Não há nada solar no livro Em Cada Momento Ainda Estamos Vivos, do poeta sueco Tom Malmquist, e ele deixa claro na abertura, quando descreve a chegada de Karin ao hospital: “Mulher grávida, a criança está bem, de acordo com o relatório, 33.ª semana, adoeceu há cerca de 5 dias com sintomas gripais, febre, tosse e sentiu ontem leve falta de ar, pensando que era por conta da gravidez, hoje teve uma piora aguda.” Parece coronavírus, mas é leucemia. E não é spoiler dizer que tudo só vai piorar para o narrador, que é o próprio autor.

Talvez essa não seja a leitura mais agradável para esses dias estranhos e sensíveis, mas há tempos queria ler esse livro e ele ressurgiu da estante esta semana por acaso. Tom nos conta uma história muito triste, a dele, mas sem sentimentalismo ou pieguice – com frieza, até. A história como ela é: sua mulher nos últimos 10 anos à beira da morte numa cama de hospital, tudo evoluindo muito rapidamente, uma cesária feita às pressas e o planejamento de um velório enquanto ele e a pequena Livia vão se conhecendo e se ambientando na casa antes ocupada pelo casal de aspirantes a escritor que sonhava ser uma versão feliz de Sylvia Plath e Ted Hughes.

Foto: Ints Kalnins/Reuters

O luto entremeado de lembranças, o passado sendo contado ao leitor após o baque inicial e antes de uma nova perda dolorida enquanto o presente se desenrola sob o nosso olhar. Um escritor lidando com seus fantasmas e sua nova realidade, encontrando um lugar para a dor e um sentido para a vida – e renascendo dia após dia.

Para o leitor interessado em autoficção e elaboração de luto, outros livros bonitos: O Pai da Menina Morta, de Tiago Ferro, e Morreste-me, em que José Luiz Peixoto fala sobre o pai. E Altos Voos e Quedas Livres, uma reflexão não exatamente no gênero da autoficção, mas ainda assim autobiográfica, escrita por Julian Barnes após a morte da mulher.

EM CADA MOMENTO AINDA ESTAMOS VIVOS
Autor: Tom Malmquist
Trad.: Carlos e Leon Rabelo
Editora: Grua (272 págs.; R$ 49,90)

Tudo o que sabemos sobre:

livroLiteraturamorteluto

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: