Um Livro Por Semana #33: Quintal infinito (‘A Criança em Ruínas’)
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um Livro Por Semana #33: Quintal infinito (‘A Criança em Ruínas’)

'A Criança em Ruínas', de José Luis Peixoto, foi publicado pela Dublinense; e mais na Babel: 'Uma Canção', de Guilherme Karsten, e a primeira live de Silviano Santiago para o lançamento de 'Fisiologia da Composição'

Maria Fernanda Rodrigues

28 de novembro de 2020 | 03h00

Em A Criança em Ruínas (Dublinense, 80 págs., R$ 36,90, R$ 24,90 o e-book) está a raiz de tudo o que o português José Luis Peixoto viria a escrever: a família, a memória, o luto, a infância, a casa. Livro de poemas que ele publicou aos 27, em 2001, depois do sucesso de Morreste-me, que já foi tema da coluna, e de ganhar o Prêmio Saramago, ele traz, sobretudo, textos que Peixoto guardou na gaveta no começo da juventude. A obra só saiu no Brasil em 2017.

Foto: Maxim Shemetov/Reuters

Aqui, os poemas estão em constante diálogo com a família, numa conversa íntima do autor com suas memórias e seus fantasmas. O livro é dividido em três partes. Na primeira, temos a lembrança da criança brincando no quintal, a morte rondando e a certeza de que aquele tempo não volta mais. O tempo não volta, mas a criança permanece – e o título remete a uma reflexão do autor sobre o quanto da criança que fomos vive no adulto que nos tornamos. E sobre como tendemos a voltar a esse lugar em busca de conforto. Na segunda parte, o ar está pesado e o poeta, carregado de angústia e espera. Na última, o amor, a paz sentida ao ver o filho dormir, o fim do amor, a solidão.

Um poema: “Na hora de pôr a mesa, éramos cinco:/ o meu pai, a minha mãe, as minhas irmãs/ e eu. depois, a minha irmã mais velha/ casou-se./ depois, a minha irmã mais nova/ casou-se. depois, o meu pai morreu. hoje,/ na hora de pôr a mesa, somos cinco,/ menos a minha irmã mais velha que está/ na casa dela, menos a minha irmã mais/ nova que está na casa dela, menos o meu/ pai, menos a minha mãe viúva. cada um/ deles é um lugar vazio nesta mesa onde/ como sozinho. mas irão estar sempre aqui./ na hora de pôr a mesa, seremos sempre cinco./ enquanto um de nós estiver vivo, seremos/ sempre cinco.”

+ BABEL

Pai e filho
A HarperKids lança Uma Canção, de Guilherme Karsten, em janeiro. Pai e filho pegam o metro e, compartilhando o fone de ouvido, eles se deixam levar pela música. O livro é também uma homenagem do escritor ao pai.

A primeira live
Silviano Santiago lança, dia 7, às 19h, em live com o editor Schneider Caperggiani no canal da Cepe do YouTube, Fisiologia da Composição – Gênese da Obra Literária e Criação em Graciliano Ramos e Machado de Assis.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.