Um Livro Por Semana #32: Afeto e dor (‘A Pupila é Preta’, de Cuti)
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um Livro Por Semana #32: Afeto e dor (‘A Pupila é Preta’, de Cuti)

'A Pupila é Preta' é um lançamento da Malê, que promove, entre sábado, 21 e segunda, 23, a Flin - Festa da Literatura Negra

Maria Fernanda Rodrigues

21 de novembro de 2020 | 03h00

Há violência e há afeto nos contos que Cuti reúne em A Pupila é Preta (Malê, 102 págs.; R$ 38), que está sendo lançado agora. A morte – repentina ou lenta, violenta ou natural – está à espreita. Há solidariedade e compaixão. Famílias que se buscam e se repelem. E um ódio que cresce e se transforma em mais violência. Há assédio, agressão, piadinhas e humilhação. Racismo. E há pessoas que no meio disso tudo, e apesar de tudo isso, vão driblando o destino, levantam da queda e buscam em si e nas suas origens e também no outro algum conforto. Não são contos felizes, é preciso dizer. O passado deixa suas marcas. E os 22 textos do livro refletem o mundo que construímos.

Em um dos contos, a personagem planeja participar de evento com Angela Davis, que estava de passagem pelo Brasil (Aaron P. Bernstein/Reuters)

Dois contos protagonizados por crianças chamam a atenção. No que abre o livro, Custo de Vida, acompanhamos a tristeza de um garoto que não consegue comprar uma maria mole porque o dinheiro da mãe não dá e a solução que ele encontra para o problema – sem saber que está muito perto de poder ter algo mais importante. No outro, Translúcio, o menino vê a movimentação da casa e o desespero sem entender o que aconteceu com o pai. E, muito jovem, tem de lidar com o medo da perda.

Linha cruzada, sobre um professor que vira alcoólatra ao ser confrontado com fantasmas calados na infância, com a violência sofrida e com sonhos que lhe foram roubados, também é delicado. Em O roubo, um ladrão em confronto com sua violência e consciência. Em Juízo final, um matador que recebe o troco do destino. Fechando o livro, Cuti, um dos fundadores do Quilombhoje-Literatura e um dos criadores dos Cadernos Negros, relata o encontro casual entre dois amigos – um negro e um branco – e o pai racista do último.

+ BABEL

Literatura em debate

A Malê, editora do livro ao lado, promove a Flin – Festa da Literatura Negra entre hoje, 21, e segunda, 23. Geni Guimarães faz a abertura, às 17h, e na sequência, às 19h, Cuti participa de bate-papo com Mário Medeiros, finalista do Jabuti com Gosto de Amora. A homenageada este ano é Miriam Alves e entre os temas em debate estão poesia, a literatura negra feminina, a literatura negra na universidade e os prêmios literários. Os encontros são realizados no canal do YouTube da editora.

Tudo o que sabemos sobre:

LiteraturaMercado Editorial

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: