Um Livro Por Semana #19: De Passagem (‘Luanda, Lisboa, Paraíso’, de Djaimilia Pereira de Almeida)
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um Livro Por Semana #19: De Passagem (‘Luanda, Lisboa, Paraíso’, de Djaimilia Pereira de Almeida)

Vencedor do Prêmio Oceanos 2019, 'Luanda, Lisboa, Paraíso' foi publicado pela Companhia das Letras; e mais na Babel: ‘Uma Breve História do Racismo no Brasil’, ‘Black Brecht – E Se Brecht Fosse Negro?’ e Miguel Sanches Neto

Maria Fernanda Rodrigues

25 de julho de 2020 | 03h00

A vida começou a ficar mais difícil para a família de Cartola a partir do nascimento do segundo filho do casal – o parto complicado deixou Glória de cama e inconsciente por muitos anos e o marido se revezava nos cuidados da mulher e do filho, que nasceu com uma má-formação no calcanhar. Mas havia afeto e esperança, afinal, quando Aquiles completasse 15 anos, pai e filho deixariam Angola para o garoto ser operado em Portugal. E uma vida melhor teria enfim início. É desta história que Djamilia Pereira de Almeida, escritora nascida em Angola em 1982 e criada em Portugal, parte em seu segundo romance Luanda, Lisboa, Paraíso, vencedor do Prêmio Oceanos em 2019.

O ano em que a sorte viraria era o de 1985, e a ideia de que seriam bem-recebidos na metrópole e tratados como iguais, 10 anos depois da independência de seu país, rapidamente desmoronou, jogando Cartola e Aquiles num abismo, onde seguiram vivendo.

Praça do Rossio, numa Lisboa idealizada pelos personagens (Rafael Marchante/Reuters)

Da pensão miserável onde moravam, rumaram para Paraíso, um bairro ainda mais pobre na periferia de Lisboa. Luanda e a família foram ficando distantes e o trabalho na obra, cada vez mais pesado para o pai, que envelhecia, e para o filho, cuja operação não teve o efeito esperado. E a vida seguia seu curso, ano após ano, sem comida, sonho ou dignidade.

Cartola e Aquiles, embora dividindo o mesmo barraco, a mesma condução, a mesma mirrada refeição, já não sabiam mais um do outro nem de si. Envergonhados e embrutecidos, calaram anseios e medos. Mas, claro, a vida dá voltas. Ela melhora, há de novo afeto e amizade, alguma alegria e uma certa sensação de pertencimento. Melhora para voltar a piorar nesta história de imigrantes que não estão nem lá nem cá – uma história sobre o que fazemos de nós em busca de uma nova chance, mais difícil quando nosso destino já foi definido por um passado de exploração.

LUANDA, LISBOA, PARAÍSO
Autora: Djaimilia Pereira de Almeida
Editora: Companhia das Letras (200 págs., R$ 59,90; R$ 34,90 o e-book)

 

+ BABEL

Racismo no Brasil
Ynaê Lopes dos Santos, professora de História na UFF, lança, em 2021, pela Todavia, ‘Uma Breve História do Racismo no Brasil’. Partindo da experiência colonial e chegando até hoje, ela mostra por que o racismo é um dos nossos alicerces sociais.

Do palco às páginas
A Glac lança, em agosto, ‘Black Brecht – E Se Brecht Fosse Negro?’, de Dione Carlos. É a dramaturgia da peça que recria ‘O Julgamento de Luculus’ e apresenta um histórico julgamento dos brancos colonizadores e escravizadores dos povos africanos.

A infância e os livros
O escritor paranaense Miguel Sanches Neto chega ao catálogo da Ateliê Editorial em agosto com dois livros de crônicas: ‘Herdando uma Biblioteca’, em reedição ampliada e revisitada, e ‘Museu da Infância’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: