Um Livro Por Semana #16: Segredo histórico (‘Júlia: Nos Campos Conflagrados do Senhor’)
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um Livro Por Semana #16: Segredo histórico (‘Júlia: Nos Campos Conflagrados do Senhor’)

'Júlia', de Bernardo Kucinski, é um lançamento da Alameda Editorial; e mais na Babel: dois livros sobre a quarentena escritos por pais

Maria Fernanda Rodrigues

04 de julho de 2020 | 03h00

Um tema é caro a Bernardo Kucinki e vem sendo perseguido pelo jornalista desde sua estreia na ficção, em 2011, aos 74 anos: a ditadura militar. K., seu primeiro livro, que já foi traduzido para várias línguas (a edição em inglês acabou de sair), narra a busca de um pai pela filha desaparecida em 1974. Na verdade, a busca de seu pai por sua irmã caçula, professora da USP e provavelmente morta com o marido num dos fornos da Usina Cambahyba, como veio à tona em 2012.

Depois, ele lançou Você Vai Voltar Para Mim, com contos inspirados em depoimentos que ouviu na Comissão da Verdade. E Os Visitantes, um acerto de contas com K.

Agora, em Júlia: Nos Campos Conflagrados do Senhor, Kucinski volta a misturar ficção e realidade para contar a história de uma bióloga que durante uma reforma no apartamento dos pais, já mortos, encontra um estojo com documentos que vão redefinir sua identidade e levá-la a uma viagem no tempo que vai revelar um pai que ela desconhecia e um País com um passado violento que ela ignorava. E vai revelar, sobretudo, detalhes do que era feito com os bebês, filhos de presas políticas, sequestrados pelos militares – e às vezes criados por eles ou vendidos, com a ajuda da Igreja, para pessoas de outros países que procuravam, aqui, crianças para adotar.

Arquivos da ditadura descobertos em Santos, em 2010 (Foto: Ricardo Saibun/Estadão)

O livro é narrado em dois tempos – nos anos 1960 e nos anos 1990 – e no final o autor faz um alerta dizendo que, embora os cenários em que situa a novela sejam baseados em fatos reais, a trama e os personagens são ficção. Os personagens centrais são – porque encontramos nas páginas da obra pessoas conhecidas, mortas e desaparecidas.

A literatura de Kucinski tem ajudado a resgatar uma história que só recentemente começou a ser contada. Seus livros são uma boa porta de entrada, especialmente aos leitores jovens, para esse período sombrio.

JÚLIA: NOS CAMPOS CONFLAGRADOS DO SENHOR
Autor: B. Kucinski
Editora: Alameda
(184 págs.; R$ 48)

 

+ BABEL

Notas da quarentena

A editora Vento Leste prepara dois livros com textos produzidos na quarentena por pais que se viram pais em tempo integral. ‘Diário de Um Outono Particular’, do fotógrafo João Marcos Rosa, traz os registros dos 92 dias em que passou ao lado do filho e da mulher. Acostumado a viajar constantemente para fotografar a vida selvagem, esta é a primeira vez que ele passa tantos dias em casa, em Nova Lima (MG), tendo um pedaço da Mata Atlântica como quintal.
*
Já ‘A Cor do Anjo da Guarda’, de Cassiano Antico, reúne crônicas inspiradas na convivência com as filhas Valentina e Isadora pouco antes da pandemia parar o mundo até os dias confinados dentro de um apartamento em Santa Cecília, em São Paulo.
*
Os dois livros serão lançados em agosto, no Dia dos Pais.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: