As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mercado editorial brasileiro encolhe 30% em 15 anos

A pandemia agravou ainda mais a situação do setor editorial, que vive a pior crise de sua história há alguns anos

Maria Fernanda Rodrigues

17 de junho de 2021 | 12h06

O mercado editorial brasileiro encolheu 30% em 15 anos e atingiu seu patamar mais baixo desde 2006. A informação consta da Série histórica da Pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro, atualizada com os dados de 2020, anunciados no fim de maio e que mostram que, durante a pandemia, as editoras perderam 13% de seu faturamento em termos reais. Até o ano passado, a queda acumulada, também em termos reais, nas vendas para o mercado e para o governo, era da ordem de 20%.

A pesquisa é feita pela Nielsen para a Câmara Brasileira do Livro e para o Sindicato Nacional de Editores de Livros e, nesta série histórica, ela analisa o desempenho real do mercado, ou seja, descontando a inflação do período.

Mercado editorial passa por crise Foto: Werther Santana/Estadão)

Os setores de Didáticos e CTP (Científico, Técnico e Profissional) foram os mais afetados. O crescimento do uso de sistemas de ensino, a migração de alunos de escolas particulares para escolas públicas, a diminuição do número de estudantes no ensino superior e o uso de material digital por universidades são alguns dos fatores que prejudicaram os dois segmentos.

Editoras que produzem obras CTP perderam 47% de seu faturamento entre 2006 e 2020 nas vendas para o mercado – o governo não é grande comprador desse tipo de obra. Se concentrarmos as perdas de 2014, quando a crise se agravou, para cá, a queda é de 55%.

Já as de didáticos acumulam perdas de 35% de 2006 até o ano passado, também em vendas para o mercado. É o patamar mais baixo da série histórica.

Queda também em obras gerais, termo que engloba tudo o que não é didático, CTP ou livro religioso. Embora o setor tenha tido um bom desempenho no ano passado, registrando queda de 1% quando todos os outros tiveram um tombo maior e o PIB caiu 4,1%, e sugerindo que o brasileiro tenha preferido ler ficção e não ficção na pandemia, no acumulado a história é outra. Nesses últimos 15 anos, houve uma redução de 37% em faturamento na venda para o mercado. Colocando o governo na conta, a queda é de 42%.

O subsetor de livros religiosos, o que teve o pior desempenho durante a pandemia, principalmente porque é bastante dependente da venda porta a porta, também atingiu seu pior patamar agora, nesta série histórica, com perdas de 16% no faturamento com vendas para o mercado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.