As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Gilberto Gil brinca sobre manifestações em show de abertura da Flip

Maria Fernanda Rodrigues

03 de julho de 2013 | 21h57

O compositor e cantor Gilberto Gil abriu o seu show na 11.ª Festa Literária de Paraty na noite de ontem cantando “Palco” e depois “A Novidade” e logo parou para dar boa-noite ao público. Ele lembrou que esteve na cidade do litoral fluminense na primeira edição do festival, há 11 anos. “A Flip cresceu, se multiplicou, produziu frutos. E como toda solução é um problema, ela criou problemas para a cidade. Mas viver não é fácil e a gente vai vivendo, e a cidade vai levando adiante seu legado.”

Quem assistia ao show do lado de fora começou a se agitar, gritar algo que o músico não entendia. Ao que Gil respondeu, brincando, fazendo referências às manifestações que tomaram o País nas últimas semanas. “Ah, estamos em assembleia? Qual é a queixa? Tem alguma queixa relevante ou é como nas manifestações, tudo difuso?”.

Descobriu-se que a queixa do público estava relacionada com o som. Alguns ajustes foram feitos e ele continuou a apresentação cantando “Domingo no Parque” acompanhado do filho Ben Gil e de Gustavo Di Dalva. “Um pouco antes, a editora inglesa Liz Calder, idealizadora do festival, usou o seu melhor português para se dirigir ao público que aguardava o show de Gil dentro ou fora da tenda: “O Brasil está no centro das atenções e nas páginas de jornais de todo o mundo. Tem a Copa, a Olimpíada e o povo nas ruas. Ver um país e seu povo bradar contra a desigualdade e a corrupção e ver uma presidente que escuta é algo raro.”

No sábado, os protestos voltam a Paraty. Moradores organizam uma manifestação que deve fechar a ponte que liga o Centro Histórico e a Tenda dos Autores. O alvo não é a Flip, mas deve sobrar para ela. Liz comentou que a mostra está mais uma vez atenta ao que acontece. “Estar aqui é uma oportunidade de ouvir diferentes autores, suas palavras, ideias e músicas. Isso tudo é um tipo de renovação do espírito.”

Ela repetiu o discurso em inglês para seus convidados estrangeiros e chamou o músico paratiense Luís Perequê para o primeiro show da noite – e alegria dos moradores da cidade, que assistiam de fora à abertura da festa. Sua apresentação durou pouco menos de 20 minutos.

Tudo o que sabemos sobre:

flipgilberto gil

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.