Babel: Disputa por ‘Paradiso’, de Lezama Lima, ganha novo capítulo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Babel: Disputa por ‘Paradiso’, de Lezama Lima, ganha novo capítulo

E mais na coluna Babel: Balada Literária, os autores brasileiros mais lidos por tradutores estrangeiros, Manda Chuva e o espiritismo para crianças, o novo Asterix, etc

Maria Fernanda Rodrigues

11 de novembro de 2017 | 06h00

DIREITO AUTORAL
Disputa por obra de Lezama Lima ganha novo capítulo

lezama lima

José Lezama Lima (Foto: La Primera Palabra)

Em 2014, chegava às livrarias brasileiras duas traduções de Paradiso, de Lezama Lima (1910–1976; foto). A obra do autor cubano não estava em domínio público, e a confusão começou. A Estação Liberdade comprou os direitos em 2006, da irmã do autor. Mas ele não deixou testamento e, por isso, esses direitos passaram a ser do Estado cubano, representado pela Agencia Literária Latinoamericana, com quem a Martins Fontes – Selo Martins negociou em 2011. As duas editoras têm contrato assinado, as duas edições estão nas livrarias e o imbróglio corre na Justiça. Nesta semana, um parecer de 59 páginas da perita Eliane Yachouh Abrão, designada para estudar o caso, foi favorável à Martins. A Estação Liberdade reclama de questões não tratadas, como plágio de tradução e das notas de Eloísa Lezama. A ver o que o juiz decide.

FESTIVAL
Homenagem dupla
Em 2018, a Balada Literária vai homenagear Alice Ruiz e Itamar Assumpção. “Em um mundo cada vez mais egoísta, essa será uma maneira de a gente celebrar a amizade, o afeto, a união entre os artistas”, explica Marcelino Freire, o idealizador do festival que, nesta 12.ª edição, que termina amanhã, 12, está celebrando Torquato Neto.
*
A próxima Balada também já tem data: será de 7 a 11 de novembro, em São Paulo. E, no esforço de descentralizar a festa, ela chega a Campo Grande pela primeira vez e volta a Teresina e Salvador, onde presta, ainda, homenagem a escritores locais. Tudo no ano que vem.

EDITAL
Concorrência acirrada
O Itaú e a Fundação Itaú Social mudaram a forma de escolher os livros da campanha Leia para uma criança – feita, agora, por edital. Num momento em que as compras governamentais de livros para bibliotecas escolares estão suspensas, e na esperança de garantir a venda de dois milhões de exemplares de um único título, 214 editoras inscreveram 602 livros.
*
Depois de um longo processo de seleção, que terá cinco etapas, sairão os dois livros escolhidos e as editoras felizardas. Os livros distribuídos este ano foram: O Menino Azul (Global), de Cecília Meireles, e Em Cima Daquela Serra (Companhia das Letras), de Eucanaã Ferraz.

HQ – 1
O pequeno gaulês

asterix

Asterix et la Transitalique, a 37.ª aventura do pequeno gaulês que se passa na Itália antiga (acima), chega às livrarias entre março e abril pela Record.

HQ – 2
Vida e morte

Manda Chuva guia os pequenos leitores em Espírito dos Animais, obra de Luis Hu Rivas que a Boa Nova lança este mês.

TRADUÇÃO
Os preferidos
De uma lista com os 10 escritores brasileiros mais lidos por tradutores estrangeiros e/ou traduzidos por eles, Chico Buarque é autor vivo mais popular. Ele aparece em 7.º lugar no mapeamento do Conexões Itaú Cultural. Antes dele estão Machado, Clarice, Guimarães Rosa, Jorge Amado, Drummond e Graciliano Ramos. E depois, Mário de Andrade, Rubem Fonseca e Milton Hatoum.
*
Hatoum, aliás, abre, com Órfãos do Eldorado, a coleção de literatura brasileira contemporânea no Japão idealizada pela tradutora Chika Takeda. Saem, ainda, entre outros, Joias da Família, de Zulmira Ribeiro Tavares, e Feliz Ano Novo, de Rubem Fonseca.

Tendências: