Companhia aérea cria clube do livro para entreter crianças durante o voo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Companhia aérea cria clube do livro para entreter crianças durante o voo

Easy Jet está distribuindo 7 mil exemplares de clássicos infantis em seus voos, mas as crianças não poderão levar os livros para casa

Maria Fernanda Rodrigues

25 Julho 2017 | 10h06

A companhia aérea britânica Easy Jet acaba de criar um clube do livro para seus pequenos passageiros. A ideia é distribuir 7 mil exemplares de obras clássicas, como Alice no País das Maravilhas, O Mágico de Oz, Peter Pan e A Fantástica Fábrica de Chocolate, em 147 aeronaves.

hábito de leitura

Pais consideram que eletrônicos estão matando a leitura por prazer (Foto: Matt Alexander/PA Wire)

“Nós sabemos como pode ser estressante viajar com crianças e mantê-las entretidas durante a voo. Então, pedimos para Jacqueline Wilson nos ajudar a criar uma lista de livros que as crianças pudessem gostar de ler durante a viagem”, diz a empresa em seu site. Jaqueline, que é autora de obras infantis, explicou que escolheu livros que pudessem interessar a meninos e meninas e com os quais eles pudessem estar familiarizados (por causa do cinema, por exemplo).

A iniciativa vai durar a temporada de verão europeu e os livros estão sendo colocados no bolso da frente de cada poltrona onde viajará uma criança. O pedido é para que o livro seja devolvido no mesmo local ao término da viagem. A Easy Jet, vale lembrar, é uma companhia aérea low cost que não serve mais que água nos voos.

Além disso, em alguns voos, um carrinho-biblioteca vai até os leitores.

O projeto nasceu depois que uma pesquisa feita com 2 mil pais de crianças entre 8 e 12 anos revelou que 83% deles acham que seus filhos estão lendo menos do que eles liam na mesma idade. A molecada de hoje lê em média três livros durante o verão, enquanto seus pais liam cerca de quatro.

O brasileiro lê, em média, 2,88 livros por ano.

Para 90% dos pais ouvidos, o entretenimento eletrônico está substituindo a leitura por prazer e levando à queda do índice de leitura dos britânicos.