Babel: Primavera Literária Brasileira leva 70 autores para seis países em 2020
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Babel: Primavera Literária Brasileira leva 70 autores para seis países em 2020

E mais na Babel: Jardim Secreto; 'Opulência', de Luis S. Krausz; Teolinda Gersão no Brasil e a nova graphic novel de Liv Strömquist, sobre o amor nos tempos do capitalismo

Maria Fernanda Rodrigues

08 de fevereiro de 2020 | 06h30

FESTIVAL – 1
Primavera Literária Brasileira leva 70 autores para seis países

Rodrigo Ciríaco (Foto: Nilton Fukuda/Estadão)

Vai começar a 7.ª edição da Primavera Literária Brasileira – nascida na Sorbonne por iniciativa do professor Leonardo Tonus e que nos últimos anos vem se espalhando pelo mundo. Entre fevereiro e junho, ela vai levar escritores brasileiros e de outras nacionalidades, mas sobretudo brasileiros, para encontros em universidades e escolas primárias e secundárias da França, Bélgica, Alemanha, Itália, Portugal e dos Estados Unidos. Eventos também serão organizados no Brasil. O objetivo é fomentar a descoberta e a leitura da literatura brasileira. Haverá mesas-redondas, ateliês de escrita criativa, de contação de histórias e de ilustração e saraus. Um dos convidados é o escritor, educador e mediador de leitura Rodrigo Ciríaco (foto), criador do Sarau dos Mesquiteiros.

FESTIVAL – 2
Diálogos (im)possíveis
A Printemps Littéraire Brésilien começa dia 17 na Universidade de Indiana e terá como tema Brasil: (im)possíveis diálogos. São cerca de 70 nomes na lista, como o juiz João Marco Buch, idealizador de projeto de remição de pena pela leitura, Márcia Tiburi, Martha Batalha, Nathalia Borges Polesso e Wagner Schwartz. A literatura jovem é uma das apostas, explica Tonus – e entre os convidados estão Wallace Andrade, Maira Garcia e Daniela Kopsch. A Primavera é independente e não conta com o apoio do Governo.
*
Enquanto isso – e sem relação com a Primavera Literária – , Wilson Alves-Bezerra e Rodrigo Tadeu Gonçalves fazem residência de tradução na Suíça, na Looren, e Bruno Gomide fala sobre Boris Schnaiderman em Oxford.

ROMANCE
Degradação e cegueira
Professor da USP e escritor premiado, Luis S. Krausz lança, em março, pela Cepe Editora, Opulência. O romance retrata imigrantes europeus e seus descendentes na então idílica Campos dos Jordão dos anos 1970 e fala sobre o ofuscamento gerado pelos discursos em torno do “Brasil Grande” e do progresso.

HQ
O amor e o capitalismo

Autora de A Origem do Mundo – Uma História Cultural da Vagina ou A Vulva vs. O Patriarcado, a cientista social sueca Liv Strömquist lança em setembro, pelo selo Quadrinhos na Companhia, A Rosa Mais Vermelha Desabrocha (acima). O título da graphic novel é emprestado de poema de Hilda Doolittle, e o livro analisa o amor na era do capitalismo tardio e por que as pessoas se apaixonam tão raramente hoje em dia.

EVENTO
Sobre mulheres

A portuguesa Teolinda Gersão vem ao Brasil em abril para a Flipoços e eventos em SP, Rio e Salvador. Aqui, ela lança, pela Oficina Raquel, Alice e Outras Mulheres, antologia de contos organizada por Nilma Lacerda. Silvana Mello, que lança Mulher, Empoderamento e Legado pela mesma editora, também estará em Poços de Caldas.

CINEMA
Livro, filme, livro
A HarperCollins lança em abril, na estreia de Jardim Secreto, com Collin Firth e Julie Walters, uma versão do livro de Linda Chapman com sua novelização.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: