Babel: Oficina Raquel quer mais diversidade em seu catálogo e muda posicionamento
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Babel: Oficina Raquel quer mais diversidade em seu catálogo e muda posicionamento

E ainda na Babel: Adriana Cavarero na Bazar do Tempo e Courtney Summers na Bienal do Livro de São Paulo

Maria Fernanda Rodrigues

14 de maio de 2022 | 03h00

Oficina Raquel quer mais diversidade em seu catálogo e muda posicionamento

Cristiane Sobral é uma das autoras de ‘Correio Amoroso’ (Foto: Thaís Mallon)

A diversidade sempre esteve presente no catálogo da Oficina Raquel, mas a editora carioca decidiu que era preciso mais. A partir de agora seu lema deixa de ser “Mais que livros, literatura” e passa a ser “Mais que livros, diversidade”. A mudança não é meramente linguística. Segundo os editores, a ideia é “investir de forma mais sistemática em quatro linhas editoriais claras: as questões étnico-raciais, o universo LGBTQIA+, a condição feminina e os estudos de gênero, além da realidade das pessoas com deficiência”.

O primeiro lançamento deste novo momento foi o infantil Mila, A Gata Preta, de Marcelo Moutinho e ilustrado por Luciana Nabuco, que conta a história de uma gatinha que acaba de chegar ao mundo e já enfrenta uma série de dificuldades: o abandono, a vida na rua e o preconceito de gente que ainda acha que gato preto dá azar.

Entre os títulos previstos estão A Ilha Fantástica, do caboverdiano vencedor do Camões Germano Almeida, e Como Ser Autista, da britânica Charlotte Amelia Poe, além da reedição de Correio da Roça, de Júlia Lopes de Almeida, dentro da coleção Mulheres de Todos os Tempos, e Correio Amoroso, que já saiu na coluna. Organizado por Henrique Rodrigues, ele apresenta um recorte da diversidade da literatura brasileira contemporânea, retratando também as diferentes formas de manifestação do amor. O lançamento, aliás, será no dia 7 de junho, na Livraria da Travessa da Leblon, no Rio, e no dia 9, na Travessa de Pinheiros, de São Paulo.

Bazar do Tempo vai publicar a italiana Adriana Cavarero

Tu che mi guardi, tu che mi racconti (Olhe-me e narre-me, título provisório), da filósofa italiana Adriana Cavarero, sairá pela Bazar do Tempo no segundo semestre. Em uma perspectiva feminista, Cavarero utiliza a categoria de singularidade elaborada por Hannah Arendt para polemizar contra o sujeito forte da tradição metafísica e a subjetividade fragmentada pós-moderna.

Karen Blixen, Édipo, Borges, Ulisses, Rilke, Eurídice, Sheherazade são convocados para testemunhar as várias formas como um indivíduo recebe o próprio retrato a partir de uma narração. As relações de amor, a amizade feminina, a experiência feminista dos grupos de autoconsciência e o comportamento das mulheres em relação à narrativa são os cenários em que a narração se une à política.

A filósofa é uma das inspirações de Elena Ferrante, que discute esse livro em seu mais recente trabalho, I margini e il dettato (As Margens e o Ditado, em tradução livre), em que ela escreve sobre o seu ofício.

Courtney Summers lança ‘O Projeto’ na Bienal do Livro de São Paulo

A canadense Courtney Summers, autora de Sadie, best-seller para jovens adultos, vem à Bienal do Livro de São Paulo para o lançamento de O Projeto. O livro chega um pouco antes às livrarias – já na próxima semana – e sai pela Plataforma21, da V&R.

A escritora Courtney Summers participa da Bienal em julho (Foto: Megan Gunter)

Finalista do prêmio International Thriller Writers 2022, o novo suspense da escritora é inspirado em casos reais de vítimas de cultos religiosos – mais especificamente no caso Jonestown, um culto que, sob a liderança de Jim Jones, levou mais de 40 seguidores à morte nos Estados Unidos.

Narrado alternadamente sob dois pontos de vista, ele conta a história de Bea, que perde os pais em um grave acidente de carro e se depara com Lo, sua irmã, em coma. Até onde vai o amor entre irmãs e o que uma seria capaz de fazer para salvar a vida da outra?, questiona a obra. Na história, Lev, um líder espiritual carismático, promete salvar a garota hospitalizada, mas, em troca, Bea precisa abandonar sua vida e segui-lo fielmente.

A autora estará no Salão de Ideias, da Bienal, no dia 3 de julho, às 16h. E participa de uma sessão de autógrafos no estande da Plataforma21.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.