Babel: O que a Livraria Cultura quer das editoras na recuperação judicial
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Babel: O que a Livraria Cultura quer das editoras na recuperação judicial

E ainda na coluna Babel: ciclo no Sesc vai debater o 'romance do Norte', Balada Literária vai homenagear países latinos, etc,

Maria Fernanda Rodrigues

17 Novembro 2018 | 06h00

CRISE – 1
O que a Livraria Cultura quer das editoras na recuperação judicial

livraria cultura

Livraria tenta sair da crise, mas pede demais para as editoras (Foto: Rafael Arbex/Estadão)

A Livraria Cultura, que entrou com pedido de recuperação judicial no final de outubro, começa a apresentar seu plano para algumas editoras (a quem está chamado de “fornecedores prioritários”). A rede de livrarias espera que elas aceitem a seguinte proposta: deságio de 40% da dívida, prazo de até 12 anos para pagar essa dívida reduzida, e sem juros, e uma data indeterminada para o início desse pagamento. Quem aceitar vai ter que concordar com a obrigação de fornecer livros imediatamente – a rede está desfalcada para a Black Friday e para Natal, e preocupada também com o Volta às Aulas. As editoras não vão receber à vista por essa venda. Os prazos pedidos vão de 30 a 120 dias, mas uma parte dessa compra seria consignada. Para as editoras que não concordarem com os termos, comenta-se que o deságio poderá ser de 70%, mesmo índice negociado com empresas de eletrônicos, e elas irão para o fim da fila do pagamento.

CRISE – 2
Uns e outros
Nem todas as editoras (já) ouviram essa proposta ou algo semelhante. Muitas receberam apenas um e-mail padrão solicitando atendimento, dizendo que já podem receber os pedidos e que não vão atrasar o pagamento por causa da recuperação judicial. Mas ainda falam em consignação – algo que não deve mais ser aceito pelo mercado.
*
E aumentam os rumores de que a Livraria Saraiva também pode recorrer a uma recuperação judicial. No balanço do trimestre divulgado no início da semana, ela fala em queda de receita e prejuízo líquido de R$ 66,6 milhões no período.

DEBATE
O romance do Norte

Jarid Arraes

Jarid Arraes (Dani Costa Russo)

A jornalista Josélia Aguiar coordena um ciclo de quatro encontros sobre o ‘romance do Norte’ no Centro de Pesquisa e Formação do Sesc de 3 a 6/12, às 19h. O ciclo reúne ensaístas e romancistas para investigar como repercutem hoje, na história literária e na produção novelística, obras de Américo de Almeida (A Bagaceira está completando 90 anos), de Graciliano Ramos, Jorge Amado, José Lins do Rêgo e Rachel de Queiroz.

*

Os convidados são Ronaldo Correia de Brito, Thiago Mio Salla, Ana Miranda, Constancia Lima Duarte, Jarid Arraes (foto), Raimundo Carrero, Estevão Azevedo, Franklin Carvalho e Socorro Acioli. E as inscrições, gratuitas, começam dia 27, pelo site do Sesc.

FESTIVAL
Balada latina
Cada mesa da Balada Literária (20 a 25) será aberta por um leitor latino. Já no primeiro dia, a mulher travesti mexicana Mica Ella Cimet lê um trecho de Mário Bellatin. Participam, ainda, Eva Uviedo (Argentina), Juan Quintero Herrera (Colômbia), Carlos Ortiz (Peru) e Miren Edurne (Uruguai). Esse é o embrião de uma ideia que será posta em prática pelo curador Marcelino Freire no ano que vem: a cada edição, a Balada vai homenagear um país da América Latina. A Venezuela será o primeiro.

JUVENIL
Vida literária
Aos 14, com quatro livros publicados e recém-agraciada com o Prêmio Fundação Bunge, Nina Krivochein trabalha numa série – Luna Moon e a Guerra Entre os Reinos, o primeiro volume, será lançado em 2019, na Bienal do Rio, pela Bambolê.