Babel: Livros analisam a Semana de 22 e o ano de 1922, conversas com Simone Veil, concurso serrote e mais
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Babel: Livros analisam a Semana de 22 e o ano de 1922, conversas com Simone Veil, concurso serrote e mais

Confira as novidades literárias e do mercado editorial na coluna Babel

Maria Fernanda Rodrigues

06 de novembro de 2021 | 03h00

O centenário da Semana de 22 em livro

Cartaz da Semana de Arte Moderna (Foto: Reprodução)

Às vésperas do centenário da Semana de Arte Moderna, o selo Estação Brasil, da Sextante, lança, no dia 3 de dezembro, Semana de 22: Antes do Início, Depois do Fim, de José De Nicola e Lucas De Nicola. Com projeto gráfico de Victor Burton e nada menos do que 640 páginas, a obra apresenta análises sobre um dos eventos mais importantes da arte brasileira, realizado no Theatro Municipal de São Paulo entre os dias 11 e 18 de fevereiro de 1922, e seu legado. O livro reúne vasta documentação e rica iconografia e resgata personagens tidos como secundários nesta história.

1922 no mundo

Está no prelo da Astral Cultural, com lançamento previsto para o fim do ano, 1922 – Cenas de um Ano Turbulento, de Nick Rennison. A obra mostra, mês a mês, os fatos mais marcantes daquele ano nas mais diversas áreas, como a descoberta do tratamento do diabetes por meio do uso da insulina, a queda do Império Otomano, a criação da União Soviética, a implantação do Estado fascista na Itália de Mussolini, a prisão de Al Capone, a independência do Egito, a prisão de Gandhi, a breve detenção de uma figura ainda obscura: Adolf Hitler, o lançamento de Ulysses, de James Joyce, a estreia de Hitchcock no cinema e por aí vai.

Conversa com Simone Veil

Simone Veil em 2008 (Foto: Susana Vera/Reuters)

Sai da gráfica nos próximos dias O Alvorecer em Birkenau, de Simone Veil (1927-2017). A obra, que será lançada pela WMF Martins Fontes, foi idealizada pelo cineasta David Teboul. Ele fez um documentário sobre ela e o livro reúne as conversas que tiveram ao longo de muitos anos de convivência. Veil, um dos símbolos da luta pelos direitos das mulheres, fala, aqui, sobre tudo: de sua prisão, deportação e vida em campos de concentração durante o holocausto, quando parte de sua família foi exterminada, passando pelos estudos, experiência política (ela foi a primeira mulher nomeada presidente do Parlamento Europeu), a defesa do aborto e muito mais.

Concurso de Ensaísmo serrote 2021

Rodrigo Lobo Damasceno (1985) é o vencedor do 4º Concurso de Ensaísmo serrote, promovido pela revista do Instituto Moreira Salles. Ele vai ganhar R$ 10 mil e terá seu trabalho publicado na edição de novembro e no site do IMS. Em Boi morto, boi morto, boi morto, o poeta baiano parte das esculturas em couro do artista Juraci Dórea, expostas no sertão baiano, para analisar as contradições da modernização brasileira.
*
Em segundo lugar, ficou o artista e pesquisador fluminense Vinícius da Silva (2000), que escreveu Barricadas para o fim do mundo. Com base na obra de autoras como bell hooks e Jota Mombaça, ele reflete, em seu ensaio, premiado com R$ 7 mil, sobre estratégias para futuros possíveis. O paulistano Gabriel Campos (1984) ficou em terceiro lugar. Saudades de João Antônio, que aproxima a obra do escritor paulistano da literatura feita hoje nas periferias, rendeu ao autor o prêmio de R$ 4 mil. Os dois textos também serão publicados nesta próxima edição da serrote.
*
Outros dois ensaios receberam menção honrosa e serão publicados em março do ano que vem: Ladainha da sobrevivência, de Yasmin Santos, e O agente esteta, de Pedro Sprejer.
*
O concurso recebeu mais de 400 inscrições. Puderam participar autores com no máximo um livro publicado.

Finalista do Booker Prize

Nadifa Mohamed (Foto: Tom Nicholson/Reuters)

The Fortune Man, livro que levou a escritora somali-britânica Nadifa Mohamed à final do Booker Prize 2021 (Damon Galgut ganhou com The Promise), teve os direitos adquiridos pela Tordesilhas Livros. A obra resgata uma história real, de um homem negro acusado injustamente de assassinato por um sistema racista e corrupto. De Nadifa, a editora relançou, em outubro, com nova capa, O Pomar das Almas Perdidas. Aqui, ela conta a história de três mulheres cujas vidas se cruzam em meio à ditadura militar na Somália.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.