Babel: Editora 34 contrata tradução de ‘Guerra e Paz’, de Tolstoi
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Babel: Editora 34 contrata tradução de ‘Guerra e Paz’, de Tolstoi

E ainda na Babel de 9/12: 'Finnegans Wake – Por um Fio', em janeiro; 'O Mal de Lázaro', em fevereiro; 'Maria Madalena: A Verdadeira História – Da Bíblia ao Código da Vinci', em março; inédito no Brasil, Max Jacob terá livro publicado pela Carambaia

Maria Fernanda Rodrigues

09 Dezembro 2017 | 06h00

CLÁSSICO
Editora 34 contrata tradução de ‘Guerra e Paz’, de Tolstoi

Guerra e Paz

Editora dos principais autores russos, faltava no catálogo da 34 um dos grandes clássicos do país: Guerra e Paz, de Tolstoi (1828-1910). Ela acaba de contratar a tradução da obra para o jornalista Irineu Franco Perpétuo. É trabalho para mais de três anos, prevê o tradutor que entregou, em outubro, sua versão de Anna Karenina. O livro está na programação da 34 para 2018, quando ela também lança Almas Mortas, de Gogol, com tradução de Rubens Figueiredo – dono, aliás, da outra tradução de Guerra e Paz feita diretamente do russo e que volta às livrarias agora pela Companhia das Letras. Saem, ainda, Sobre Isto, de Maiakovski, por Letícia Mei; Humilhados e Ofendidos, de Dostoievski, por Fátima Bianchi; e A Luva ou KR-2 — Contos de Kolimá Vol. 6, de Chalámov, por Nivaldo dos Santos.

TRADUÇÃO
Wake autoral
Com organização, tradução e posfácio de Dirce Waltrick do Amarante, será lançado em janeiro, pela Iluminuras, Finnegans Wake – Por um Fio. Última obra literária de James Joyce (1882-1941), publicada em 1939, ela ganha, agora, uma ‘retradução condensada’. Já que a circularidade do livro impede que exista começo, meio ou fim, diz a apresentação, a tradutora, que em seu trabalho dialoga com John Cage, Ana Hatherly e com os irmãos Campos, encontrou a ponta do fio narrativo onde bem quis e largou-a onde bem entendeu. A edição original em inglês (ou fineganês) tem 628 páginas.

+++ Clarice Lispector é lembrada por suas célebres leitoras nos 40 anos de sua morte

CARTAS
Registros fictícios
Inédito no Brasil, Max Jacob (1876-1944), pintor, romancista, poeta, amigo de Jean Cocteau e de Picasso e uma das figuras centrais dos círculos de vanguarda do início do século 20 em Paris, terá seu O Gabinete Negro – Cartas com Comentários lançado em 2018 pela Carambaia. Trata-se de uma compilação de cartas fictícias publicada em 1922 e ampliada em 1928 por este judeu convertido ao catolicismo, que foi preso pela Gestapo em 1944 ao chegar da missa e que morreu de pneumonia e esgotamento no campo de deportação de Drancy, dois dias antes da data em que seria enviado a Auschwitz.

NÃO FICÇÃO
Maria Madalena

Maria Madalena

Em março, a Zahar lança Maria Madalena: A Verdadeira História – Da Bíblia ao Código da Vinci, do historiador Michael Haag. Baseando-se em documentos e arquivos bíblicos, a obra, ilustrada (acima, tela de Da Vinci de 1515), acompanha Maria Madalena através dos séculos – de prostituta arrependida à discípula e companheira de Jesus, passando por adúltera, símbolo da fragilidade das mulheres a objeto de veneração.

FICÇÃO
Os milagres de Lázaro
Sai em fevereiro, pela Tordesilhas, O Mal de Lázaro, romance do diplomata Krishna Monteiro. Lázaro trabalha num matadouro e começa a ouvir o lamento dos animais. Ao desenhá-los, as vozes são silenciadas. A morte, a narradora, se comove e passa a acompanhá-lo.