Babel: Às vésperas da estreia de ‘Adoráveis Mulheres’, ‘Mulherzinhas’ invade as livrarias
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Babel: Às vésperas da estreia de ‘Adoráveis Mulheres’, ‘Mulherzinhas’ invade as livrarias

E mais na Babel: 'Coleção Orixás' ampliada e livros que estão chegando nas livrarias em dezembro

Maria Fernanda Rodrigues

07 de dezembro de 2019 | 08h00

CLÁSSICO
‘Mulherzinhas’ invade as livrarias às vésperas do filme

O leitor deve ter reparado na quantidade de edições diferentes do livro Mulherzinhas nas livrarias. Publicada em dois volumes (em 1868 e 1869) por Louisa May Alcott (1832-1888), que foi abolicionista e feminista, ele acompanha quatro irmãs desde o primeiro Natal sozinhas, quando o pai está servindo na Guerra Civil, até a vida adulta.

O movimento de reedição de Mulherzinhas, considerado um dos títulos mais importantes da literatura americana, começou em 2017 com o volume traduzido por Denise Bottmann e Frederico Carotti para a L&PM.

Depois do anúncio do filme Adoráveis Mulheres, que estreia no Brasil no dia 9 de janeiro e já é cotado ao Oscar, surgiram vários outros. A Via Leitura publicou em maio a primeira parte da obra traduzida por Giu Alonso, e agora lança a versão completa. Em junho, a Martin Claret lançou uma tradução de Diego Raigorodsky. Em outubro, a Zahar lançou, pela sua coleção de clássicos, a edição integral comentada e acrescida de sua continuação, de 130 ilustrações e de uma cronologia. Bruno Gambarotto foi o tradutor. Um pouco depois, a Planeta apresentou sua edição: também integral, com tradução de Marina Dela Valle e posfácio de María Dueñas.

Para completar a estante, a Penguin lança o seu Mulherzinhas em janeiro. Sai com tradução de Julia Romeu – e prefácios de Patti Smith e Elaine Showalter.

NÃO FICÇÃO
‘Coleção Orixás’
Para aproveitar o lançamento, esta semana, de Ogum, de Reginaldo Prandi, e Iemanjá, de Armando Vallado, a Pallas decidiu reimprimir os outros 9 títulos da Coleção Orixás.
*
São eles: Exu (Vagner Gonçalves da Silva), Nanã (Cléo Martins), Oxum (Luís Felipe de Lima), Iroco (Cléo Martins e Roberval Marinho), Obá (Cléo Martins), Xangô (Ildásio Tavares), Iansã (Helena Theodoro), Euá (Cléo Martins) e Lugunedé (Nei Lopes).
*
Até 2021, a Pallas lança livros sobre Oxumaré, Ibeji, Obaluaiê, Oxóssi, Oxalá e Ossaim.

MERCADO
Próximos lançamentos
Por falar em relançamentos, a Paz & Terra prossegue com o projeto de apresentar a obra do educador Paulo Freire com novo projeto gráfico. Os ‘novos’ títulos são À Sombra Dessa Mangueira e Educação Como Prática da Liberdade. Paulo Freire foi um dos nomes mais atacados e homenageados do ano – e um dos autores mais vendidos do estande do Grupo Record na Bienal do Rio.
*
2019 vai entrando na reta final e as editoras preparam seus últimos lançamentos do ano. Veja uma seleção do que está chegando às livrarias por esses dias. Sérgio Augusto lança Vai Começar a Sessão: Ensaios Sobre Cinema, pela Objetiva. A maioria dos textos foi publicada no Estado. Ainda sobre o tema, sai pela BestSeller Espaço Para Sonhar – livro de memórias de David Lynch escrito pelo diretor e por Kristine McKenna.
*
Escrito nos anos 1930 e publicado em 1941, Ida: Um Romance, de Gertrude Stein, é o lançamento do mês da Pontoedita. O volume traz apresentação de Badi Assad e Luiz Päetow, textos da autora, outro de Sherwood Anderson e posfácio do tradutor Luís Protásio.
*
Clássico do momento, 1984, de George Orwell, ganha edição especial, em capa dura, pela Companhia das Letras.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: