‘As pessoas estão cansadas da tela’, diz CEO da Simon & Schuster sobre queda na venda de e-book
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘As pessoas estão cansadas da tela’, diz CEO da Simon & Schuster sobre queda na venda de e-book

Para a editora americana Carolyn Reidy, que foi sabatinada na Feira de Frankfurt, um jovem nascido na era das telas ainda há de pensar em um novo livro digital

Maria Fernanda Rodrigues

11 Outubro 2017 | 19h38

“Ainda haverá um novo livro digital, algo que ninguém conseguiu criar. Uma pessoa jovem, que cresceu na frente da tela, vai inventar esse novo livro e esse dia será incrível”, disse Carolyn Reidy, presidente da Simon & Schuster, um dos maiores grupos editoriais, durante sabatinada ontem na Feira do Livro de Frankfurt. Ao seu lado, Guillaume Dervieux, vice-presidente da editora familiar francesa Albin Michel. O consultor Rüdiger Wischenbart foi o moderador.

Frankfurt book

Discussão. Wischenbart, Carolyn Reidy e Dervieux (Foto: Leonardo Neto)

Há 10 anos o Kindle era lançado e editoras correram para digitalizar seus catálogos e lançar obras impressas e digitais simultaneamente. Testaram formatos: o livro em partes e os enhanced books não vingaram. E agora a venda do digital desacelerou nos Estados Unidos.

O que deu errado? “As pessoas estão cansadas de tela. Passam o dia no telefone, no computador. Chega a ser um alívio ler um pedaço de papel”, disse Reidy. Não se pode negar, no entanto, o que ele trouxe de bom. “Os livros podem viver para sempre, estão disponíveis em qualquer lugar do mundo e estão nutrindo uma geração de leitura”, completa.

Mais conteúdo sobre:

Feira do Livro de Frankfurte-book