Aos 25 anos, João Paulo Hergesel vence Prêmio Barco a Vapor de Literatura 2018
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Aos 25 anos, João Paulo Hergesel vence Prêmio Barco a Vapor de Literatura 2018

Hersegel vai ganhar R$ 40 mil de adiantamento de direitos autorais e terá seu livro 'Que Presepada!' publicado pela SM

Maria Fernanda Rodrigues

17 Julho 2018 | 09h00

Todos os anos desde que fez 18, João Paulo Hergesel participa do Prêmio Barco a Vapor – mas este paulista morador de Alumínio, que ganhou seu primeiro concurso literário aos 8 e publicou seu primeiro livro aos 16, nunca foi muito adiante na prestigiosa premiação da Fundação SM, criada há 40 anos na Espanha e realizada há 14 no Brasil.

Prêmio Barco a Vapor 2018

Prêmio Barco a Vapor reconhece obras originais para jovens leitores

Para esta edição, ele não tinha nada novo que o animasse e voltou a uma história escrita em 2013. Que Presepada!, sobre uma vaca de presépio que sonha em ser rena de Natal, desbancou mais de mil originais inscritos e rendeu ao jovem autor R$ 40 mil de adiantamento de direitos autorais e a edição da obra pela SM. O lançamento está previsto para outubro.

“Ainda estou procurando a câmera que vai mostrar que isso não passa de uma pegadinha”, brinca. Para ele, que faz doutorado em literatura na Anhembi Morumbi e trabalha com preparação e revisão de livros, esse momento é um divisor de águas em sua carreira. “Acredito que esse prêmio vai abrir muitas portas para o meu futuro editorial.”

+++ Apesar das críticas, Prêmio Jabuti não vai alterar o polêmico regulamento de 2018

Hergesel acha que sua história conquistou o júri pela “luta de sonhos”. Juno trabalha todos os anos como atriz no presépio da fazenda onde vive, mas acalenta o sonho de ajudar o Papai Noel. Os outros animais tentam dissuadi-la, mas ela, apesar das gozações, não desiste. Arruma outros empregos e, ao poucos, vai se aproximando do Polo Norte para realizar seu sonho de ser rena.

“É uma história de vida. Da minha, até. Do garoto que ninguém acredita que vai ser escritor até que ele ganha algo assim”, comenta.

Ele foi finalista do Prêmio Barco a Vapor ao lado de Alexandre Boide (Capitão Mimo), Vanessa Vascouto (A Árvore e a Nãna), Marco Túlio Costa (Marte Declara Paz), Gael Rodrigues (A Menina Que Engoliu um céu Estrelado), Andréa Pelagagi (Som de Azul), Elias Araújo (Diário de Brother) e Camila Tardelli da Silva (Mensagens para Moiara).

Em 2017, o vencedor foi Tadeu Sarmento, com O Cometa é um Sol Que Não Deu Certo, sobre refugiados.

(Atualizado às 20h40)