The russians are coming — again and again!

The russians are coming — again and again!

João Wady Cury

03 de dezembro de 2019 | 07h48

O ator russo Kamil Tukaev, que traz a São Paulo a montagem de Tio Vânia. Foto: Arquivo Pessoal

 

 

Os russos estão chegando, sim, mas não é o que você pensou. A frase, famosa na Guerra Fria, hoje tem outro sentido. Os russos em questão são diretores, atrizes e atores. Fazem parte do projeto Estação de Teatro Russo: Tchekhov e prometem trazer à cidade em 2020 um recorte da produção russa atual.

As encenações, de alguma maneira, celebram os 160 anos de nascimento do dramaturgo Anton Tchekhov (1860-1904). Os viventes poderão assistir três peças: O Urso, com direção de Vladimir Pankov, Kashtanka, dirigida por Vyatcheslav Kokorin, e, por fim, Tio Vânia, com direção de Mikhail Bychkov. São todas produções atuais, pinçadas de regiões diferentes da Rússia.

A programação foi apresentada pelo diretor regional do Sesc São Paulo, Danilo Santos de Miranda, e por Valery Shadrin, diretor do Chekhov International Theatre Festival, Kamil Tukaev, ator de Tio Vânia, e Evgeny Zakharov, vice-diretor do Youth Theater de Yekaterinburg.

O encontro entre o Sesc e o festival de Moscou vem desde 2006, seu ano mais prolífero. Vieram ao Brasil, também com o apoio da Funarte e do falecido Ministério da Cultura, cinco montagens: a adaptação para o palco do conto O Capote, de Gogol, Proprietários à Moda Antiga, dirigida por Mindaugas Karbauskis, Noite de Reis, do bom e velho Will Shakespeare, Boris Godunov, de Púchkin, ambas dirigidas pelo britânico Declan Donnellan, da companhia Cheek by Jowl, e, por fim, K.I. de Crime e Castigo, encenação inspirada no livro de Fiódor Dostoiévski.

Na outra via, algumas companhias brasileiras, como o Teatro da Vertigem, já se apresentaram no festival russo.

O projeto Estação de Teatro Russo: Tchekhov é resultado da parceria entre Sesc São Paulo e o Festival Internacional Tchekhov de Teatro, de Moscou. Esta edição tem o apoio do Ministério da Cultura da Federação Russa, do Departamento de Cultura de Moscou e dos governos das regiões de Voronezh e Sverdlovsk .

Em tempo. Os russos estão chegando é frase atribuída ao secretário de Defesa dos Estados Unidos James Forrestal em 1949 pouco antes de se matar. Vivia-se a Guerra Fria, período em que se via comunista por todos os lados. Forrestal, num surto descontrolado, teria visto soldados soviéticos nas ruas de cidades norte-americanas — e sua frase espalhada por um desafeto, mas sem testemunhas. Ficou para a história.

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: