Rio de Janeiro recebe “As Mil e Uma Noites”

Rio de Janeiro recebe “As Mil e Uma Noites”

João Wady Cury

25 Junho 2018 | 01h01

Leandro Romano. Polifonia em cena Foto: Nan Giard

 

Teatro, das artes, é o que tem maior capacidade imediata de reagir com vigor aos impulsos do cotidiano. Das dores do coração às injustiças da vida, o palco grita. Esta voz poderá ser ouvida na estreia de As Mil e Uma Noites, dia 29, no Oi Futuro Flamengo. É a própria história levada por Sherazade, misturada aos relatos de refugiados árabes no Rio e o Brasil de Michel Temer. Poesia e náusea

A montagem é dirigida por Leandro Romano e inova sob vários aspectos. Tem 500 páginas de dramaturgia, construída a partir da obra traduzida diretamente do árabe por Mamede Mustafa Jarouche (Editora Globo), traz cinco atrizes revezando-se na pele da personagem Sherazade e não para por aí. A peça será, na verdade, 33 peças pois serão apresentações únicas: a cada sessão uma nova história. “Esse modelo que criamos mostra a urgência para Sherazade, que conta histórias porque não quer morrer, e para os refugiados árabes no Brasil”, diz. “Ambos têm a palavra e sua história como força de sobrevivência.” As Mil e Uma Noites fica em cartaz de sexta a domingo até 9 de setembro.