Nova York é logo ali

João Wady Cury

21 de novembro de 2017 | 13h27

Depois de 50 filmes, quatro casamentos e três filhos na mochila, Uma Thurman está de volta e promete abalar – não Bangu, inicialmente, mas a si própria. Meteu-se em uma aventura perturbadora: teatro. Coragem pouca é bobagem. Aos 47 anos e pouca rodagem no palco, estreia na Broadway pela primeira vez no próximo dia 30, no Hudson Theater. The Parisian Woman é do dramaturgo Beau Willimon, inventor da série House of Cards. Sim, ele, quando dramaturgo novato do Off Broadway, quatro peças escritas. Uma Thurman quer desafios. Topou fazer Chloe, protagonista da peça, mulher independente e namoradeira apesar de casada. Nem tudo é perfeito. Não espero algo como Kill Bill ou Ninfomaníaca. A toada, agora, está para Henry & June ou Ligações Perigosas.

 

É só dobrar a esquina

Não bastasse Uma, lá vem outra. Voltou ao cartaz em Nova York a peça The Portuguese Kid, no City Center Stage1. A peça é do dramaturgo John Patrick Shanley, que papou um Oscar pelo roteiro original de O Feitiço da Lua e levou para casa um Pulitzer por Doubt: A Parable – peça que depois viraria filme, homônimo, dirigido pelo próprio Shanley, com Meryl Streep e o falecido Philip Seymour Hoffman no elenco. Mas é o protagonista da montagem de The Portuguese Kid que será capaz de levar você ao teatro: Jason Alexander, que, no seriado Seinfeld, atua como o George Costanza. A Broadway não é novidade para Alexander. Fez sua estreia em um musical escrito por Stephen Sondheim quando tinha 20 anos de idade, Merrily We Roll Along. Fica em cartaz até 10 de dezembro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: