“Jornada de Um Imbecil Até o Entendimento” chega aos 50 anos

“Jornada de Um Imbecil Até o Entendimento” chega aos 50 anos

João Wady Cury

05 Novembro 2018 | 19h41

‘Jornada de um Imbecil até o Entendimento’ Foto: Priscila Prade

 

Plínio Marcos (1935-1999), o dramaturgo dos desvalidos e miseráveis, está de volta 50 anos depois da primeira montagem com Jornada de um Imbecil até o Entendimento. Usa da malandragem de seis vagabundos que disputam esmolas nas ruas de uma grande cidade com somente dois chapéus. A encenação, dirigida por Helio Cicero, tem viés circense. O elenco tem Jairo Mattos, Fernando Trauer, Fernanda Viacava, Rogério Brito e Douglas Simon. Estreia marcada para sexta, 9, no Centro Cultural São Paulo, Espaço Cênico Ademar Guerra.

 

TUDO POR UM TÍTULO

Plínio Marcos escreveu a primeira versão de Jornada de um Imbecil até o Entendimento em 1960 e a batizou com o nome de Os Fantoches. Em 1965, fez uma segunda versão e deu dois títulos para o texto: Chapéu sobre Paralelepípedo para Alguém Chutar ou Jornada de um Imbecil até o Entendimento. Somente em 1968, com a primeira montagem profissional dirigida por João das Neves, consolidou o segundo nome da versão anterior – a encenação tinha cenários e figurinos de Carlos Vergara e músicas de Denoy de Oliveira, letras de Ferreira Gullar.