Godot irlandês e Peter Brook sacodem a Escócia

Godot irlandês e Peter Brook sacodem a Escócia

João Wady Cury

16 de agosto de 2018 | 15h35

Cadê Godot? Trio do barulho Foto: Matthew Thompson/Druid

 

Um dos mais incríveis encontros teatrais da Europa, o Festival Internacional de Edimburgo, na Escócia, entra em sua segunda semana e promete sacudir as ilhas britânicas. Não é pra menos. A montagem de Esperando Godot, de Samuel Beckett, tem sido considerada a melhor das últimas duas décadas, levada pela companhia irlandesa Druid.

Sim, somos desgraçados e o mundo acaba cruelmente mal para Beckett, mas a diretora Garry Hynes acha que isso pode ser feito com humor sutil e cortante ao mesmo tempo. No elenco só fera: Garrett Lombard (Lucky), Aaron Monaghan (Estragon), Rory Nolan (Pozzo) e Marty Reas (Vladimir). Nada melhor que o desalento com humor.

 

SIM, ELE VAI 

Peter Brook é presença garantida até porque a sua companhia, o Théâtre des Bouffes du Nord, sediada em Paris, é residente convidada do festival e desembarca com três montagens. Brook divide dramaturgia e direção em The Prisoner, com Marie-Hélène Estienne. Fica em cartaz de 22 a 26/8. Mas há quem esteja com siricutico para assistir à nova montagem da diretora Katie Mitchell, que chega ao palco escocês com La Maladie de la Mort – montagem pra lá de multimídia que lembra o teatrão dos anos 90. Ok, ok, foi o despertar de Katie, aceitemos. A inspiração é o romance homônimo de Marguerite Duras.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: