Faroeste na Luz

João Wady Cury

27 Abril 2017 | 17h47

Não se trata de bangue-bangue e sim a mais recente produção da companhia Pessoal do Faroeste. Chama-se Curare a peça do grupo, que chega aos 19 anos com uma produção que pretende discutir a mulher no País a partir do enredo original de O Alienista, de Machado de Assis. Só que, no caso, o protagonista é a Dra. Bacamarte, uma médica que curou todas as mulheres brasileiras de dores de amor. O Brasil do Pessoal do Faroeste é retratado como ficção que se passa em 2084 e é um matriarcado em que as mulheres tomaram o poder com a ajuda da médica e de suas quatro amazonas do apocalipse: Peste, Fome, Guerra e Morte. Escrita e dirigida por Paulo Faria, a peça se dá tanto na sede da companhia como no Largo General Osório, na Luz, e promete polêmica.