Projeto Guri, 18 anos. Celebrando a maioridade.

Alvaro Siviero

15 de outubro de 2013 | 09h37

Festa de maioridade ocorre só uma vez. Neste exato momento, no Salão Nobre da Sala São Paulo, gestores deste sólido projeto de política pública do Governo do Estado de São Paulo para o ensino de música reúnem-se, com o intuito de compartilhar com o grande público, as alegrias e desafios desta bem sucedida empreitada, hoje gerida pelas Organizações Sociais Santa Marcelina Cultura (na capital) e Associação Amigos do Projeto Guri (interior e litoral). Espalhado em mais de 300 municípios do estado de São Paulo, a iniciativa conta, também, com o apoio de centenas de prefeituras e de organizações da sociedade civil. É muito trabalho. Muita dedicação e comprometimento. São mais de 49.000 crianças que anualmente, entre 6 e 18 anos, aprendem música de graça (500 mil já passaram pelo projeto) em mais de 400 polos de ensino. Uma verdadeira orquestração de carinho, zelo, pulso firme. Alunos que podem ser iniciantes ou já iniciados. Alunos que são constantemente avaliados. Alunos que, quando prontos, são mandados para o palco, entrando no circuito de espetáculos do projeto. Há dificuldades? O aluno é ajudado com adaptação do projeto às necessidades individuais.  Pude observar essa preocupação e zelo em recente e distendida conversa com Alessandra Costa, diretora executiva da Associação Amigos do Projeto Guri.

Desde a criação de seu primeiro polo (1995), o Guri recebeu diversas comprovações de que está no caminho certo: foi à ONU representando o Brasil em sessão especial da Assembléia Geral das Nações Unidas em favor da infância, foi reconhecido como o Melhor Projeto de Fomento à Cultura pelo Prêmio Multicultural Estadão, recebeu a Comenda da Ordem do Cavaleiro da Presidência da República, apresentou-se em Detroit (USA), no Festival de Campos do Jordão, gravou CDs, DVDs e, no âmbito popular, dividiu o palco com artistas como Milton Nascimento, Toquinho, entre outros. Em 1996, um ano após sua criação, surge o polo da Febem do Tatuapé (hoje Fundação Casa). É também fortalecimento pela solidariedade. É resgate social.

Um projeto sociocultural, de desenvolvimento humano, onde o aluno – mais que afinar seu instrumento – afina-se a si próprio.

Para maiores informações: 55 11 3874-3357 ou www.projetoguri.com.br

 

Tudo o que sabemos sobre:

Projeto Guri

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: