O Concerto n.2 de Brahms: o desespero de uma paixão não correspondida

Alvaro Siviero

27 de outubro de 2011 | 15h00

Dizem que paixão não correspondida mata. Já vi gente chorando, emagrecendo ou perdendo a razão de seguir adiante. Há crimes passionais. O que vocês aconselhariam a um homem que se apaixona pela mulher de um grande amigo? Pois bem, esse homem foi Brahms. A mulher, Clara Schumann, a esposa do pianista, professor, compositor e jornalista Robert Schumann.

Em 1853, aos 20 anos de idade, Brahms aterrissou em Düsseldorf com o intuito de levar diversos de seus manuscritos ao grande Robert Schumann, conhecido em toda Europa pelas críticas musicais que publicava no jornal Neue Zeitschrift für Musik, de grande circulação. Todo jovem compositor necessitava um Schumann a seu lado. E Schumann, vendo em Brahms o músico que as salas de concerto esperavam, recebeu-o em sua família, um lar feliz, estruturado, que contava com sete filhos. Não era relação de interesse. Era o início de uma amizade, que se estreitava. Inesperadamente, em 1856, após um período de grave enfermidade mental, Robert Schumann falece, em um manicômio, aos 45 anos de idade.

Clara, uma mulher decidida, de têmpera, de beleza marcante, então com 37 anos, havia sido impedida do privilégio de visitar o marido durante o período em que esteve internado, pensando que sua presença não contribuiria à restituição mental de seu marido. Mas nada poderia ter sido pior a Robert que essa ausência: ela era sua musa, seu apoio, sua amiga. Brahms, que visitava o amigo com frequência, tornou-se fonte de conforto para Clara, uma pianista contada entre os virtuoses de seu tempo. Certamente Brahms via na saudável família o que ele nunca havia tido: uma relação sólida, embasada em verdadeiro amor.

Com a morte de Robert Schumann, Brahms sente-se no dever de continuar em Düsseldorf como apoio, mas também em tentativa de aproximação. Este período estende-se por mais de dois anos… Mas a independente e nada carente Clara, que sempre amou o marido, decidiu para sua vida algo diferente: ser a mãe de seus filhos e, em memória de Robert, realizar recitais divulgando as obras do amado.  Ponto final.  Brahms nunca se casou. Morreu um ano após a morte de Clara, introspectivo, de um câncer no fígado. E assim é sua obra.

Quando realizo concertos sempre penso em uma história, mesmo que irreal, que me motive, que seja um fio condutor em minha interpretação. Mas essa história, baseada em dados reais, é a que estará em minha mente quando, no Teatro Guaira (Curitiba) e Sala São Paulo (SP), interpretar, no próximo mês de novembro, o colossal Concerto n.2 para piano e orquestra, de Brahms. Esse concerto, extensamente revisado pelo autor é, para muitos, a história desse amor não realizado: é um confessionário.

No longo primeiro movimento, Brahms conta a sua história, toda: e o pus da ferida é exposto de forma incontida. Sabe aquele sentimento que surge quando você se encontra diante de alguém por quem está apaixonado e, ao mesmo tempo, sabe que a pessoa nunca será sua? Desespero? Depressão? Perda de sentido para as coisas? O segundo movimento (assista ao vídeo em anexo, Barenboim-Celibidache-Munique) é um grito de desespero, de quem tenta alcançar o bem desejado, mesmo sabendo que, talvez, nunca o consiga. É a paixão que se põe em pé, pedindo ajuda. O terceiro movimento tange a dor de quem agora já tem a certeza de que o impossível é, de fato, impossível. Letárgico, doído, contido, este movimento tem um dos mais belos solos de violoncelo, instrumento de corda que reflete em seu timbre o dado histórico. O quarto movimento, inédito em um concerto para piano, é a visão de quem vê que a vida deve ser adiante e que o passado deve se tornar passado, mesmo que a duras penas.

Lembro-me da primeira vez em que eu estive no túmulo de Brahms, em Viena. Pedi permissão a ele para contar essa história, algum dia. Não me sentia preparado a fazê-lo. Ainda não me sinto… Mas qual é a pessoa que tem preparo para se adentrar dentro de tamanha dor alheia?

Sintam-se convidados a estar presente neste momento! Terei a honra de ser o solista de tamanha obra na estréia da Orquestra Sinfônica do Paraná na Sala São Paulo. Momento duplamente histórico.

Dia 20 de novembro – Teatro Guaira (Curitiba) – 11h
Dia 27 de novembro – Sala São Paulo (São Paulo) – 17h

Tudo o que sabemos sobre:

brahmsconcerto n.2

Tendências: