Musica Classica Decodificada – Rachmaninov Piano Concerto n.3

Alvaro Siviero

09 de julho de 2013 | 21h26

O filme Shine (Brilhante foi o título dado em português) narra a conflitiva estória de um relacionamento. Um pai doentio, possessivo, quer que o filho seja um grande pianista sem conseguir, ao mesmo tempo, retirar suas garras “amorosas” (entenda-se egoístas) de seu amor possessivo. A célebre cena da banheira, onde o amor leva o pai a surrar o filho com uma toalha molhada, mostra até que ponto um amor egoísta (que de amor não tem nada) pode levar uma pessoa. É o super pai, a super mãe, produzindo o infra filho. Amor verdadeiro sempre dá asas ao amado para que voe, e voe longe.

No filme – que rendeu ao ator Geoffrey Rush o merecido Oscar de melhor ator – o Concerto n.3 para piano e orquestra, de Rachmaninov, insurge, com todo o vigor. Esse colosso musical é a música de fundo da trama. A cena do concerto de formatura é de tirar o fôlego. O filho enlouquece. Depois de muita água ter passado debaixo da ponte, quando espera-se o desfecho, a estória real se inicia. Maravilhosa. Lembro-me que, de modo divertido, muitos amigos me aconselharam a nunca interpretar essa obra. Motivo? Medo de que eu enlouquecesse também. Vale a pena conferir.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.