Leandro Carvalho: um maestro finalista na Salle Pleyel, Paris.

Leandro Carvalho: um maestro finalista na Salle Pleyel, Paris.

Alvaro Siviero

14 de maio de 2014 | 16h53

A imensidão da riqueza musical deste Brasil está acordando. Pessoas talentosas, músicos promissores e profissionais dedicados surgem, com evidente desenvoltura e sólido trabalho, fora do eixo Rio-São Paulo. O olhar preconceituoso, que analisa e pontifica com desdém tudo o que não se encaixa nos moldes limitados estabelecidos pelos entendidos de plantão, mais cedo ou mais tarde, acaba se deparando com fatos que são verdadeiras reprimendas a essa postura um tanto jurássica.  E é no Mato Grosso, situado no coração do Brasil, que Leandro Carvalho desenvolve seu trabalho como maestro titular da Orquestra do Estado do Mato Grosso (recentemente se apresentaram em São Paulo). Pois bem, Leandro Carvalho está entre os 18 (dezoito) finalistas – foram mais de 500 inscrições provenientes de 30 países – da Evgeny Svetlanov Conducting Competition, um dos mais importantes concursos internacionais de regência. A competição, que ocorre a cada 4 anos, tem em seu corpo de jurados e comitê de honra alguns dos maiores nomes da regência da atualidade como Zubin Mehta, Riccardo Muti, Valery Gergiev, Myung-Whun Chung, Vladimir Ashkenazy, Jesús López-Cobos, o pianista Evgeny Kissin, entre outros. “Estou feliz e honrado, já me sentindo vitorioso em fazer parte deste grupo tão seleto. Estou confiante que novas oportunidades surgirão a partir desta experiência. Agora é estudar, estudar, estudar …”, afirma o finalista com determinação.

Felicidade não é palavra que expresse o ocorrido. E não é para menos. A final da prova, prevista para o próximo dia 28 de junho, em Paris, na Salle Pleyel (258 rue du Faubourg, St Honoré), terá como orquestra oficial a Orchestre Philharmonique de Radio France, a mesma com quem outro brasileiro, Villa-Lobos, extensamente trabalhou. A edição de 2014 será presidida por Vladimir Ashkenazy. Para os leitores pouco familiarizados com profissionais da área musical faço uma comparação, nesta época de Copa do Mundo: seria mais ou menos como poder jogar uma partida de futebol com Pelé, Maradona, Cristiano Ronaldo, Neymar, David Beckham, Messi…
Outro dado interessante: ele é o único sul-americano selecionado. Get it?

O maestro Leandro Carvalho, neste momento, após breve período na Suíça, encontra-se em Viena, participando como convidado do Classical Next, importante encontro mundial de discussão das novas diretrizes para a música de concerto. “Quero concentrar-me na música. Continuarei trabalhando como sempre. Este reconhecimento é mais uma das tantas motivações que recebo para saber que estou no caminho certo. Quem se preocupa com a música, e somente com ela, nunca erra. E é isso que pretendo”, complementa.  O maestro, que viajou dos USA à Europa, salienta outras experiências incríveis: “Fui assistir faz poucos dias um lindo concerto do Bernard Haitink regendo a New York Philharmonic, aos 85 anos. Foi demais!”.  Leandro Carvalho hoje é fellowship conductor na Philadelphia Orchestra, orquestra com quem o pianista Sergey Rachmaninov extensamente trabalhou e gravou sua obra.

Rachmaninov, Villa-Lobos, …. será um prenúncio? Bom, agora é esperar por junho. Mas a vitória já foi atingida, não é mesmo?

 

Confira a lista dos finalistas:

Samuel Burstin (UK) – Leandro Carvalho (Brazil/Italy) – Ivan Cherednichenko (Ukraine) – Marzena Diakun (Poland) – Mihhail Gerts (Estonia) – Ayyub Guliyev (Azerbaidjan) – Quentin Hindley (France) – Alexey Kirillov (Russia) – Stanislav Kochanovsky (Russia) – Vladimir Kulenovic (USA/Serbia) – Lio Kuokman (Macao) – Kalle Kuusava (Finland) – Chen Lin (China) – Julien Masmondet (France) – Andris Rasmanis (Latvia) – Ena Shin (South Korea/USA) – Vasily Valitov (Russia) – Kseniya Zharko (Russia)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: