Falece o maestro Alceo Bocchino, fundador da OSP

Alvaro Siviero

07 de abril de 2013 | 15h39

Aos 94 anos, faleceu o pianista, maestro, compositor e amigo Alceo Bocchino, que tive a alegria de conhecer durante o período em que residi em Curitiba, sua cidade natal. Nutria por ele um mix de admiração e desejo de imitação. Seu amor pela música, ilimitado, o transformou em um verdadeiro motor em ação: fundou a orquestra da Rádio MEC, foi regente titular da Orquestra Sinfônica Nacional (RJ) por 13 anos, este à frente da Orquestra Sinfônica Brasileira (RJ) como presidente da comissão artística por quatro anos (assistindo o maestro Eleazar de Carvalho), entre outros fatos, além de ter sido o fundador da Escola de Música e Belas Artes do Paraná, bem como da OSP-Orquestra Sinfônica do Paraná. Conviveu e colaborou com Camargo Guarnieri e Francisco Mignone. Sua enorme capacidade de leitura à primeira vista, mesmo de obras extremamente complexas, fez com que Villa-Lobos encontrasse nele o principal revisor de suas obras recém escritas. Villa-Lobos o chamava, por esse motivo, carinhosamente, de “cachorrão” (segundo relato que pessoalmente ouvi do próprio maestro Bocchino).

Embora houvesse fixado residência no Rio de Janeiro na década de 1940, viajou pelo mundo. Seu amor à sua vocação o levou a nunca parar. E a partir de hoje continuará movimentando, com sua alegria e motivação,  coração daqueles que tivemos a honra de conhecê-lo. O video abaixo – uma merecido concerto-homenagem oferecida pela OSP a seu fundador – mostra alguns dos traços do exímio músico.

Maestro Bocchino: Requiescant in Pace!

Tudo o que sabemos sobre:

Alceo Bocchino

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: