Duo Santoro – “Bem Brasileiro”

Alvaro Siviero

27 de maio de 2013 | 09h22

 

O violoncelo – um dos 4 instrumentos que integra o naipe de cordas de uma orquestra, juntamente com o violino, viola e contrabaixo – é tido, por muitos, como o rei dos instrumentos de cordas. Sempre me impressionou a extensão de seu alcance sonoro: seus agudos simulam um violino, enquanto seus graves são contrabaixísticos. De origem datada de 1680, com Stradivarius, e de som encorpado e detentor de timbre melancólico e seguro, o violoncelo é daqueles instrumentos que é abraçado pelo intérprete durante a execução. Um instrumento que desafia o músico.

 

 

O descrito acima, em dose dupla, poderá ser observado no Duo Santoro em seu primeiro CD “Bem Brasileiro”, a ser lançado amanhã, dia 28, às 20:30h, no Espaço Tom Jobim – RJ Todo ele dedicado a compositores brasileiros do século XX e contemporâneos, o disco é o primeiro gravado pelos gêmeos Paulo e Ricardo Santoro, em atividade musical a mais de duas décadas. A fraternidade univitelínea dos irmãos é comprovada nas 24 faixas musicais do disco em momentos em que o violoncelo se transforma em voz humana. Em outros, tambor.

Uma homenagem, na primeira faixa do disco, a Villa-Lobos que, em sua iniciação musical, escolheu o violoncelo como instrumento. Com direção artística do pai, o contrabaixista Sandrino Santoro, com quem os gêmeos iniciaram seus estudos desde meninos, e produzido por Sergio Roberto de Oliveira, indicado ao Grammy Latino 2012.

Duo Santoro

Nascidos no Rio de Janeiro, os gêmeos Paulo e Ricardo fazem parte da Orquestra Sinfônica Brasileira desde 1986 e da Orquestra Sinfônica da UFRJ desde 1989, no mesmo ano em que se graduaram pela Escola de Música da UFRJ com nota máxima e dignidade acadêmica Magna Cum Laude. Com Mestrado em Música, já se apresentaram como solistas à frente de várias orquestras, além de participarem de outras formações camerísticas distintas, tais como Trios, Quartetos e outros Duos.

Único duo de violoncelos em atividade permanente no Brasil, o Duo Santoro estreou em 1990 e já se apresentou nas principais salas de concerto do Brasil. Seus recitais incluem um leque eclético de estilos que vai do erudito ao popular. As transcrições e arranjos para violoncelos são assinados, na sua maioria, pelo próprio Duo. Uma das principais metas do Duo Santoro é a divulgação da música brasileira. Para isso, contam com a colaboração de vários compositores, que dedicaram algumas de suas principais obras ao Duo.

No ano de 1992, tiveram seu trabalho reconhecido através das condecorações “Medalha de Ouro” e “Medalha de Prata” conferidas pela Escola de Música da UFRJ, iniciando, a partir daí, participações constantes em gravações para televisão e rádio. Já tocaram ao lado de mestres da música popular como Sivuca, Robertinho do Recife, Bibi Ferreira, Maria Bethânia e Gilberto Gil, entre outros; e em palcos teatrais ao lado dos atores Carlos Vereza e Nathalia Timberg, além de participações em discos de Guilherme Arantes, Simone, Almir Sater e Roberto Carlos, entre outros.

Em 1995, Paulo e Ricardo Santoro receberam por unanimidade da “União Brasileira de Escritores” o Prêmio PERSONALIDADE CULTURAL. Nas comemorações dos 20 anos do Duo Santoro, em 2010, se apresentaram em praticamente todo o Brasil e na República Dominicana, coroando o ano com um recital no famoso Carnegie Hall de Nova York.

Serviço

Local: Espaço Tom Jobim -RJ
Rua Jardim Botânico, 1.008, Jardim Botânico

Hora: 20:30h
Entrada: R$10,00 (inteira) e R$5,00 (idosos e estudantes)
Informações:  (21) 2274-7012

Estacionamento Grátis

 

Tudo o que sabemos sobre:

Duo Santoro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.