A verdade sobre a morte de Franz Liszt

Alvaro Siviero

16 de dezembro de 2011 | 09h46

Contrariando o que a tradição de tantas décadas afirmou, os momentos últimos de Liszt sobre a terra, em Bayreuth,  foram repletos de indiferença, maus tratos e solidão. Após cair enfermo durante visita a essa cidade que consagrou seu genro Richard Wagner, Liszt recebe atendimento médico incompetente e, por parte de sua filha Cosima, é tratado com severidade e frieza. A filha, embora residindo em Wahnfried (a bela casa onde viveu com Richard Wagner), deixa o pai moribundo vivendo em quartos de aluguel. O belo e irresistível jovem Franz Liszt havia se transformado em um homem idoso, com sobrepeso, perda de dentes…

Essas revelações bombásticas, entre outras, são as que estão recolhidas em publicação baseada nos diários de Lina Schmaulhausen (vide foto abaixo), aluna de Liszt que se responsabilizou de cuidar, para se dizer de alguma forma, do grande mestre em sua senilidade. Editado por Alan Walker, o livro The Death of Franz Liszt: Based on the unpublished diary of his pupil Lina Schmaulhausen, será um dos fios condutores do recital de despedida deste que foi, para os pianistas, ícone incontestável.

Com curadoria de Regina Porto, o recital será, sem dúvida, o adeus final de 2011, ano em que o mundo celebra o bicentenário de nascimento do compositor. Sintam-se todos convidados!

Tudo o que sabemos sobre:

LisztRegina Porto

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.