As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os documentários da 37ª Mostra de Cinema de São Paulo, que começa nesta quinta-feira

Adriana Plut

17 de outubro de 2013 | 02h59

A 37ª edição da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo começa com uma sessão apenas para convidados nesta quinta-feira (17.10), quando será exibido o filme “Inside Llewyn Davis”, de Joel e Ethan Coen. A partir de sexta (18.10), o público poderá assistir aos cerca de 350 títulos de vários países em mais de 20 salas da capital paulista. Entre eles estão muitos documentários, e o blog .DOC preparou uma lista com todos eles.
Muitos títulos que ganharam prêmios em outros festivais pelo Brasil serão exibidos na Mostra. Entre eles, o melhor documentário segundo o júri do Festival do Rio, “Histórias de Arcanjo – Um documentário sobre Tim Lopes”, dirigido por Guilherme Azevedo. O filme relata a trajetória do jornalista Tim Lopes – morto em 2002 por traficantes quando fazia uma reportagem sobre prostituição infantil na Vila Cruzeiro, no Rio de Janeiro – por meio de Bruno Quintella, filho de Tim Lopes e roteirista do filme, que se reencontra com amigos, colegas de profissão e personagens de matérias que marcaram a vida de seu pai.
Prêmio Especial do Júri no Festival do Rio, “A Farra do Circo”, de Roberto Berliner e Pedro Bronz,“Revelando Sebastião Salgado”, da diretora Betse de Paula, que abriu o Festival de Brasília, e “Morro dos Prazeres”, que levou os prêmios de melhor direção e fotografia em Brasília, estão entre os títulos brasileiros.
A oferta internacional também é ampla e vai de um filme sobre um campo de refugiados no sul do Líbano (“Um Mundo Que Não É Nosso”, de Alam Laysa Lana e Mahdi Fleifel) à história de três garotinhas chinesas que querem se tornar lutadoras de Kung Fu (“Dragon Girls”, de Inigo Westmeier).
Além disso, a Mostra traz uma retrospectiva da obra de um dos maiores documentaristas brasileiros, Eduardo Coutinho, com filmes como “Cabra Marcado Para Morrer” (1984), “Edifício Master” (2002) e “Jogo de Cena” (2007). Serão mostrados também dois trabalhos do diretor para o programa Globo Repórter, onde foi editor de 1975 a 1984: “Teodorico, o Imperador do Sertão” (1978) e “Seis Dias em Ouricuri” (1976). Confira a (extensa) lista de documentários desta Mostra, que vai até o dia 31 de outubro. Para ver o dia e o horário das sessões, clique aqui.

“1960”, de Rodrigo Areias (PORTUGAL)

“8816 versos”, de Sofia Marques (PORTUGAL)

“A Família” (Die Familie), de Stefan Weinert (ALEMANHA)

“A Farra do Circo”, de Roberto Berliner e Pedro Bronz (BRASIL)

“A Fuller Life”, de Samantha Fuller (ESTADOS UNIDOS)

“Amazônia Desconhecida”, de Daniel Augusto e Eduardo Rajabally (BRASIL)

“Ansiedade” Bu-ran, de Hwan-ki Min (CORÉIA DO SUL)

“Arquitetura em Israel (Conversas com Amos Gitai)” Architecture in Israel (Conversations with Amos Gitai), de Amos Gitai (ISRAEL)

“As Canções”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“Babilônia 2000”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“Bertolucci por Bertolucci” (Bertolucci on Bertolucci), de Luca Guadagnino e Walter Fasano (ITÁLIA)

“Boca do Lixo”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“Cabra Marcado Para Morrer”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“Cantos”, de Charlie Petersmann (SUÍÇA)

“Carta” (Letter), de Sergei Loznitsa (RÚSSIA)

“Cauby – Começaria tudo outra vez”, de Nelson Hoineff (BRASIL)

“Cidade Cinza”, de Marcelo Mesquita e Guilherme Valiengo (BRASIL, REINO UNIDO)

“Cidade de Deus – 10 anos depois”, de Cavi Borges e Luciano Vidigal (BRASIL)

“Conversa com JH”, de Ernesto Rodrigues (BRASIL)

“Crianças de Sorte” (Glückspilze), de Verena Endtner (SUÍÇA, RUSSIA)

“Day of the Fight” , de Stanley Kubrick (ESTADOS UNIDOS)

“Demokratia, a Via Crúcis” , de Marcos Gastin (GRÉCIA)

“Desigualdade Para Todos” (Inequality For All), de Jacob Kornbluth (ESTADOS UNIDOS)

“Do Outro Lado da Cozinha”, de Jeanne Dosse (BRASIL)

“Double Play: James Benning and Richard Linklater”, de Gabe Klinger (ESTADOS UNIDOS, FRANÇA, PORTUGAL)

“Dragon Girls” (Drachenmadchen), de Inigo Westmeier (ALEMANHA)

“E Agora? Lembra-me”, de Joaquim Pinto (PORTUGAL)

“Edifício Master”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“El Gran Circo Pobre de Timoteo”, de Lorena Giachino (CHILE, ARGENTINA)

“Em Direção a Madri” (VERS MADRID), de Sylvain George (FRANÇA)

“Eu Vou Ser Assassinado” (I will be murdered), de Justin Webster (ESPANHA, REINO UNIDO)

“Feio, Eu?”, de Helena Ignez (BRASIL)

“Fifi Grita de Felicidade” (Fifi Howls From Happiness), de Mitra Farahani (ESTADOS UNIDOS, FRANÇA, IRÃ)

“Flying Padre”, Stanley Kubrick (ESTADOS UNIDOS)

“Fragmentos de Kubelka”, de Martina Kudlacek (AUSTRIA)

“Giuseppe Tornatore: Todo Filme é Meu” (Giuseppe Tornatore: Ogni Film Un’Opera Prima”, de Luciano Barcaroli e Gerardo Panichi (ITÁLIA)

“Imagens do Inconsciente – A Barca do Sol”, de Leon Hirszman (BRASIL)

“Imagens do Inconsciente – Em Busca do Espaço Cotidiano”, de Leon Hirszman
(BRASIL)

“Imagens do Inconsciente – No Reino das Mães”, de Leon Hirszman
(BRASIL)

“Investigação Sobre Uma Noite Inesquecível”, de Lav Diaz (FILIPINAS)

“Jogo de Cena”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“Jonas na Selva” (Jonas In The Jungle), de Peter Sempel (ALEMANHA)

“Libertários”, de Lauro Escorel Filho (BRASIL)


“Lino Micciché, Meu Pai. Uma Visão do Mundo” (Lino Micciché, Mio Padre. Una Visione Del Mondo), de Francesco Micciché (ITÁLIA)

“Love Marilyn”, de Liz Garbus (ESTADOS UNIDOS, FRANÇA)

“Manakamana”, de Stephanie Spray e Pacho Velez (NEPAL, ESTADOS UNIDOS)

“Mário Lago”, de Marco Abujamra e Markão Oliveira (BRASIL)

“Metamorphosen”, de Sebastian Mez (ALEMANHA)

“Minhas Sessões de Luta” (Mes Séances de Lutte), de Jacques Doillon (FRANÇA)

“Morro dos Prazeres”, de Maria Augusta Ramos (BRASIL)

“Moscou”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“Mulheres no Front”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“Mundial – As Maiores Apostas” (Mundial – The Highest Stakes), de Michalz Bielanski (POLÔNIA)

“Quebradas no Mundaréu – A Viagem de Plínio Marcos”, de Julio Calasso (BRASIL)

“Nenhum Lugar Sobre a Terra” (No Place On Earth), de Janet Tobias (ALEMANHA, ESTADOS UNIDOS, REINO UNIDO)

“Noites Sem Dormir” (Layali Bala Noom), de Eliane Raheb (LÍBANO , PALESTINA, UAE, QATAR, FRANÇA)

“O Fim e o Princípio”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“O Fio da Memória”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“O Jardineiro” (Bagheban), de Mohsen Makhmalbaf (ISRAEL, IRÃ, REINO UNIDO)

“Olho Nu”, de Joel Pizzini (BRASIL)

“Os Anos Passaram”, de Peter Overbeck (BRASIL)
Curta Metragem
Documentário

“Os Romeiros de Padre Cícero”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“Os Sub-humanos” (Unter Menschen), de Christian Rost e Claus Strigel (ALEMANHA, AUSTRIA, HUNGRIA)

“Outro Sertão” de Adriana Jacobsen e Soraia Vilela (BRASIL)

“Pelada, Futebol na Favela”, de Alex Miranda (BRASIL)

“Peões”, Eduardo Coutinho (BRASIL)

“Plano Para a Paz” (Plot for Peace), de Carlos Agulló e Mandy Jacobson (ÁFRICA DO SUL)

“Porrada”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“Red Obsession”, de Warwick Ross e David Roach (AUSTRÁLIA, CHINA, FRANÇA, REINO UNIDO)

“Revelando Sebastião Salgado”, de Betse de Paula (BRASIL)

“Ricardo Bär”, de Gerardo Naumann e Nele Wohlatz (ARGENTINA)

“Rio Ano Zero”, de Aude Chevalier (FRANÇA, BRASIL)

“Rubem Braga: Olho As Nuvens Vagabundas”, de André Weller (BRASIL)

“Santa Marta – Duas Semanas no Morro”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“Santo Forte”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“São Paulo, Sinfonia da Metrópole”, de Adalberto Kemeny, Rudolf Rex Lustig (BRASIL)

“São Silvestre”, de Lina Chamie

“Seis Dias em Ouricuri”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“Seis Histórias”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“Setenta”, de Emilia Silveira (BRASIL, CHILE)

“Sinais de Cinza, A Peleja de Olney Contra o Dragão da Maldade”, de Henrique Dantas (BRASIL)

“Tempos de Lobo” (Sto Lyko), de Aran Hughes, Christina Koutsospyrou (GRÉCIA, FRANÇA, REINO UNIDO)

“Teodorico, O Imperador do Sertão”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“The Iran Job”, de Till Schauder (ESTADOS UNIDOS, IRÃ, ALEMANHA)

“The Seafarers”, de Stanley Kubrick (ESTADOS UNIDOS)

“Histórias de Arcanjo – Um documentário sobre Tim Lopes”, de Guilherme Azevedo
(BRASIL)

“Tito on Ice”, de Max Anderson e Helene Ahonen (SUÉCIA, ALEMANHA)

“Um Dia na Vida”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

“Um Minuto de Silêncio” (Un Minuto de Silencio), de Ferdinando Vicentini Orgnani
(BOLÍVIA, ITÁLIA)

“Um Mundo Que Não É Nosso”, de Alam Laysa Lana e Mahdi Fleifel (REINO UNIDO, LÍBANO)

“Verdade 12.528”, de Paula Saccheta, Peu Robles (BRASIL)

“Vida”, de Tatiana Villela (BRASIL, ESLOVÊNIA)

“Volta Redonda, Memorial da Greve”, de Eduardo Coutinho (BRASIL)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: